Ex-ministro da Saúde

"Um paciente chamado Brasil". Mandetta lança livro sobre bastidores da luta contra o coronavírus

Ex-ministro narra os bastidores da pandemia no Brasil

Gabriela Carvalho Estadão Conteúdo
Gabriela Carvalho
Estadão Conteúdo
Publicado em 25/09/2020 às 9:13
Notícia

MARCOS CORRÊA/PR
Mandetta foi demitido do Ministério da Saúde em meados de abril - FOTO: MARCOS CORRÊA/PR
Leitura:

Ex-ministro da Saúde no governo Jair Bolsonaro, Luiz Henrique Mandetta lançou, nesta sexta-feira (25), um livro intitulado "Um paciente chamado Brasil", pela editora Objetiva. Demitido em 16 abril por insistir em adotar as recomendações internacionais indicadas pela comunidade científica para conter a disseminação do coronavírus, Mandetta relata, em primeira pessoa, os últimos 87 dias de sua gestão na pasta. Desde 24 de janeiro, quando acompanhava o Fórum Econômico Mundial em Davos, na Suíça, até a data em que confimou a sua demissão, após breve reunião com o presidente.

>> Mandetta diz que pode ser candidato a presidente em 2022 e critica polarização

Dos problemas enfrentados no Ministério da Saúde durante a pandemia do novo coronavírus, o ex-ministro Henrique Mandetta aponta o que, na sua opinião, foi o principal: a postura negacionista do presidente Jair Bolsonaro. Segundo Mandetta, se o presidente adotasse protocolos estabelecidos pela pasta para preparar o sistema público de Saúde, o Brasil não estaria entre os países com o maior número de vítimas da doença. "Poderia ter sido diferente, para melhor", disse Mandetta

>> Bolsonaro volta a critica Mandetta e diz que sua passagem pelo Ministério da Saúde foi uma "desgraça"

O livro, segundo ele, foi escrito na quarentena de seis meses imposta a ministros que deixam o governo. Ao analisar as decisões políticas, faz mea-culpa e critica a Organização Mundial de Saúde (OMS) por relutar em classificar a covid-19 como emergência sanitária mundial.

O foco principal das críticas, no entanto, é Bolsonaro, descrito como alguém em negação diante do agravamento da doença. "Primeiro ele negou a gravidade da covid-19, falando que era só uma ?gripezinha?. Depois ficou com raiva do médico, ou seja, de mim. Depois partiu para o milagre, que é acreditar na cloroquina", escreve.

Mandetta relata que, antes mesmo do primeiro caso no País, tentou por diversas vezes apresentar dados, projeções e medidas de prevenção a serem tomadas. Mas, segundo ele, o presidente "sempre arranjava um jeito de não participar". Nas reuniões ministeriais, afirma, não tinha espaço para falar.

Segundo o ex-ministro, Bolsonaro só viu os dados em uma ocasião, em 28 de março - o País registrava 92 óbitos por covid-19. Mandetta diz que apresentou três projeções, de 30 mil a 180 mil mortes por covid-19 no País.

O jornalismo profissional precisa do seu suporte.

Assine o JC e tenha acesso a conteúdos exclusivos, prestação de serviço, fiscalização efetiva do poder público e muito mais.

Apoie o JC

Comentários

Últimas notícias