Alta

"Só Deus me tira daquela cadeira", diz Bolsonaro ao deixar o hospital, sem usar máscara

O presidente da República recebeu alta na manhã deste domingo (18) e segue para Brasília onde será acompanhado por uma equipe médica assistente

JC AFP
JC
AFP
Publicado em 18/07/2021 às 11:31
Notícia
MIGUEL SCHINCARIOL / AFP
Bolsonaro deixando hospital em São Paulo - FOTO: MIGUEL SCHINCARIOL / AFP
Leitura:

O presidente Jair Bolsonaro recebeu alta, neste domingo (18), depois de ser tratado durante quatro dias por uma obstrução intestinal em um hospital de São Paulo. "Tive que me submeter a uma dieta, fiz o que tinha que ser feito. Queria ir embora desde o primeiro dia, mas não me deixaram ir embora. Espero daqui a uns 10 dias estar comendo aí um churrasquinho de costela", disse o presidente a jornalistas após sair caminhando do hospital particular Vila Nova Star, sem máscara. 

Na ocasião, Bolsonaro também criticou a CPI da covid-19, afirmando que só Deus poderia tirá-lo do cargo. "Querem derrubar o governo? Já disse, só Deus me tira daquela cadeira. Será que não entenderam que só deus me tira daquela cadeira?", declarou. O presidente seguiu para o aeroporto de Congonhas, onde embarca para Brasília. 

 

O presidente de 66 anos foi internado na quarta-feira (14),  para "tratar um quadro de suboclusão intestinal". "Ele seguirá com acompanhamento ambulatorial pela equipe médica assistente", diz o último boletim do hospital, divulgado pela Secretaria Especial de Comunicação Social. Apesar de estar hospitalizado, Bolsonaro continuou no comando do Executivo e muito ativo nas redes sociais, publicando fotos e comentando assuntos políticos.

Devido à facada que recebeu no abdômen durante sua campanha presidencial em 2018, Bolsonaro passou por quatro cirurgias abdominais que criaram um quadro mais vulnerável em sua saúde ao sofrer aderências no intestino.

Ainda em conversas com os jornalistas, ao sair do hospital, o presidente voltou a associar medicamentos, sem comprovação de eficácia, ao tratamento da covid-19. Ele disse que pedirá ao ministro da Saúde, Marcelo Queiroga, estudos sobre a proxalutamida, usada no tratamento de cânceres. "O que me surpreende é de ver o mundo, alguns países investindo em remédio para curar a covid, e aqui, quando você fala de cura para covid, parece que você é criminoso. Não pode falar em cloroquina, ivermectina", declarou Bolsonaro.

 

Últimas notícias