Pernambuco

Prévias no PSDB: Arthur Virgílio critica Doria e Leite por desejarem interromper mandatos para concorrer à presidência

Segundo o ex-prefeito de Manaus, seu nome deveria ser o escolhido para representar o partido nas urnas também porque ele é o candidato com mais experiência na política

Renata Monteiro
Renata Monteiro
Publicado em 08/11/2021 às 14:53
FELIPE RIBEIRO/JC IMAGEM
Em campanha para as prévias do PSDB, Arthur Virgílio visita Pernambuco - FOTO: FELIPE RIBEIRO/JC IMAGEM
Leitura:

Em meio aos conflitos que têm ocorrido entre as campanhas dos governadores João Doria (SP) e Eduardo Leite (RS) às vésperas das prévias do PSDB, o ex-prefeito de Manaus, Arthur Virgílio, esteve no Recife na manhã desta segunda-feira (8) para tentar convencer o tucanato pernambucano de que ele próprio seria a melhor opção que a sigla teria para representá-la nas urnas em 2022. As eleições internas do PSDB estão marcadas para 21 de novembro.

O encontro desta manhã ocorreu em um hotel do bairro de Boa Viagem e contou com as presenças do presidente nacional da legenda, Bruno Araújo, da presidente do PSDB-PE e prefeita de Caruaru, Raquel Lyra, do ex-governador João Lyra, do ex-senador Armando Monteiro, da deputada estadual Alessandra Vieira, entre outras. Na ocasião, o político amazonense condenou seus adversários de prévias por desejarem interromper seus mandatos para concorrer ao Palácio do Planalto e declarou que a sua experiência política de mais de quatro décadas o credenciaria para o posto de candidato à presidência.

>> Com Eduardo Leite, Armando Monteiro defende investimentos em infraestrutura e segurança hídrica para o Nordeste

>> Eduardo Leite diz que múltiplas pré-candidaturas a presidente pelo PSDB são sinal de força do partido

>> 'PSDB deve lançar candidato e o apoiarei', reforça Fernando Henrique Cardoso após almoço com Lula

>> Após denúncia de fraude nas prévias do PSDB, Bruno Araújo defende apuração

>> Presidente do PSDB classifica como 'sensíveis' denúncias de fraude nas prévias presidenciais

“Eu sei que já existem acordos feitos, há quem diga que vai votar no Doria, há quem diga que vai votar no Leite, e todas essas pessoas têm o meu respeito. Agora eu faço muita fé em um grupo de pessoas que eles não controlam e eu estou falando para elas. Eu entendo que essas pessoas vão estar muito livres para chegar nas urnas e votar em quem elas quiserem, em quem tem mais experiência de verdade, em quem tem mais coerência. (...) Dos três, eu sou o único que nunca quebrou um mandato”, declarou Virgílio.

O ex-prefeito também defendeu que, diante das recentes acusações de fraudes entre as campanhas de Doria e Leite, a agremiação tenha unidade interna e humildade para considerar a possibilidade de não encabeçar uma chapa presidencial, se necessário. “Eu entendo que o PSDB tem que se unir. Se fulano vencer, todo mundo tem que se unir em torno dele. Aí cessam as discussões. Ninguém vai mudar a cabeça de ninguém, mas vamos ajudar na formulação do programa de governo de quem vier e vamos fazer esse partido ocupar um espaço, seja do Bolsonaro ou do Lula, para chegarmos ao segundo turno. Mas nós também precisamos ter a capacidade de atrair parceiros, com humildade. De repente a gente acha um parceiro melhor do que a gente e teremos que ceder. Da mesma forma que se a gente tiver um quadro melhor do que o deles, vamos esperar que tenham humildade para saber que não são melhores do que nós do ponto de vista eleitoral”, observou Arthur Virgílio.

Bruno Araújo evita reforçar a possibilidade de o PSDB não ter um candidato a presidente, mas pondera que a agremiação precisa agregar forças políticas ao seu projeto e não pode "obrigar" nenhum partido a votar no candidato tucano. "O provável é uma candidatura presidencial do PSDB. Nós preparamos essas prévias e aquele que sair vencedor estará legitimado, terá visitado 26 estados da Federação, chegará mais potente eleitoralmente do que qualquer outro candidato fora da polarização, mas cabe a esse candidato e a esse partido a humildade de construir com todo o conjunto de partidos. Nós estamos conversando nacionalmente com vários dirigentes e eu não posso obrigá-los a votar no candidato do meu partido. Nós não poderíamos estar tendo essas conversas considerando apenas o nome do PSDB", disse.

Sobre as prévias, o dirigente partidário afirmou que, sob o seu ponto de vista, a presença do amazonense nas prévias tucanas trouxe “brilhantismo” ao processo, que teria ficado “chato” caso a sua participação não existisse. “Eu sempre disse que era absolutamente natural que todo e qualquer governador de São Paulo fosse um candidato natural à presidência da República, mas é impossível que um partido como esse não tenha sempre a lembrança de homens extremamente importantes que fizeram a sua história tanto no Congresso Nacional quanto no Executivo. (...) E Arthur aceitou o desafio de colocar tempero nessa disputa. A gente tem uma disputa, não vou dizer monocromática, mas sem ele poderia ter ficado chata. E Arthur tem dado brilhantismo na discussão, para que todo o conjunto das candidaturas possa ser elevado”, disse.

Após deixar o Recife, Virgílio seguiu para Caruaru, ao lado de Raquel e João Lyra. Durante a campanha para as prévias do PSDB, também visitaram Caruaru e a capital Eduardo Leite e João Doria. Este último, inclusive, encontrou-se com o governador Paulo Câmara na ocasião.

Comentários

Últimas notícias