Ex-presidente

Lula chama Bolsonaro de "anomalia política" e diz que pobre "pode e deve" comer camarão

O petista participou do podcast Podpah nesta quinta-feira (2)

JC
Cadastrado por
JC
Publicado em 02/12/2021 às 22:42 | Atualizado em 02/12/2021 às 23:02
RICARDO STUCKERT/INSTUTO LULA
Ex-presidente Lula - FOTO: RICARDO STUCKERT/INSTUTO LULA
Leitura:

O ex-presidente Luiz Inácio Lula da Silva (PT) concedeu entrevista ao podcast Podpah, nesta quinta-feira (2), e fez diversas críticas ao atual presidente da República, Jair Bolsonaro (PL).

Uma das críticas se deu pela extinção do Bolsa Família e substituição pelo Auxílio Brasil. Lula também disse que o presidente e os filhos disseminam fake news e classificou o adversário como uma "anomalia política".

"Bolsonaro é uma anomalia política no Brasil. Ele não era para existir, o povo brasileiro pela luta que já fez, não era para ter essa figura grotesca. Até porque ele é grosso. Não falo isso com orgulho, porque só tenho um diploma do primário e do Senai. Ele deve ter lá um diploma de tenente, mas não sabe respeitar a sociedade", declarou.

A transmissão ao vivo da participação do ex-presidente no podcast atingiu mais de 290 mil espectadores simultâneos no YouTube. Na live do Instagram, a transmissão atingiu picos de mais de 8 mil visualizações. Segundo as redes do Podpah, foram mais de 2,1 milhões de acessos.

Lula disse que o atual presidente extinguiu o Bolsa Família por querer criar um programa que tivesse a sua cara. "Era um programa excepcional, esse troglodita não precisaria ter acabado, ele poderia ter aperfeiçoado", afirmou. "O programa não era do Lula, era do povo brasileiro."

Em diversos momentos, o petista foi questionado sobre a candidatura para presidente em 2022, mas não confirmou. Ainda assim, deu diversas sinalizações de que estará na disputa.

O Bolsa Família chegou ao fim em novembro depois de 18 anos para dar espaço para o Auxílio Brasil. O primeiro pagamento teve valor médio de R$ 217,18 - quantia 17,8% maior que a média do programa Bolsa Família. O governo promete que a aprovação da PEC dos Precatórios, que passou hoje no Senado e seguirá para a Câmara, garantirá o pagamento de R$ 400 mínimos por família até 2022 —ano da eleição presidencial.

A partir de 2023, será necessário definir uma nova fonte de recursos para manter o programa de pé. A falta de previsão orçamentária de longo prazo é uma das principais críticas ao novo auxílio.

Camarão

Na entrevista com os apresentadores Igão e Mítico, Lula falou não só de política, mas de futebol, vida amorosa e curiosidades pessoais. 

Um dos assuntos tratados foi a fome no País. Lula falava que passou fome no passado e foi perguntado por um dos apresentadores: "E pobre pode comer camarão?".

A pergunta fez referência à "polêmica" instaurada recentemente diante do fato de que foi servido camarão em um acampamento do Movimento dos Trabalhadores Sem Teto (MTST) durante exibição do filme "Marighella", de Wagner Moura.

Lula respondeu: "Pode e deve. Até porque é ele quem pega. Pega camarão, produz carro. O pobre tem direito àquilo que produz".

Comentários

Últimas notícias