Blog do Torcedor - Tudo sobre o futebol em Pernambuco, do Nordeste, Brasil e do mundo
Torcedor

As notícias de Náutico, Santa Cruz e Sport, além do futebol nacional e internacional. Com análise, interatividade e opinião

BASTIDORES DO TRICOLOR

Zé Neves diz que não entra de 'jeito nenhum' no colegiado do Santa Cruz com a atual composição

Em entrevista à Rádio Jornal, Zé Neves disse que não entra no colegiado com a atual composição

Lucas Holanda
Lucas Holanda
Publicado em 22/07/2021 às 19:24
Notícia
Davi Saboya/JC
Zé Neves foi presidente do Santa Cruz em mais de uma oportunidade. Em 1986, fincou a bandeira coral no gramado da Ilha. - FOTO: Davi Saboya/JC
Leitura:

Atualizada às 23h

O ex-presidente do Santa Cruz foi enfático: com a atual composição do colegiado de futebol do clube, criado na última quarta-feira, ele não fica. Em entrevista ao programa Bola Rolando, da Rádio Jornal, o ex-mandatário coral afirmou que o projeto inicial para a criação deste núcleo contava com ele e o também ex-presidente Alexandre Mirinda, que inclusive já estavam trabalhando com alguns nomes para ajudar, como por exemplo Bruno Rêgo e Victor Pessoa de Melo.

"De jeito nenhum", respondeu de maneira enfática ao ser questionado se entraria no colegiado com a atual composição. "Estou aguardando uma conversa com Mirinda hoje à noite, porque ainda não ficou definido. Estou disposto. A gente tinha planejado, mas não posso dizer que estou definido e acertado com a minha volta por conta dessa mudança que aconteceu nesses dois dias", afirmou Zé Neves. 

De acordo com o ex-dirigente, a conversa com Mirinda começou na última segunda-feira, ficando definido que a dupla iria montar essa nova estrutura do futebol. Só que as coisas mudaram e, nessa quarta, o Tricolor do Arruda anunciou o colegiado com a presença de Mirinda, Zé Neves e Romerito Jatobá, que também é ex-presidente. 

"São vários entraves. Eu e Mirinda nos damos bem desde 1993 quando estivemos no Santa Cruz, a gente tem uma linha de ação e trabalha com o mesmo pensamento. Mas, como ele ampliou com muitos dirigentes, isso não é fácil, por isso temos que conversar. Porque, na situação que o Santa Cruz está, entrar muita gente é bom para ajudar e tudo, mas tem que ter planejamento e se estruturar", disse.

"Eu e Mirinda a gente se entende muito. Mas acho que Mirinda, na ânsia de aglutinar e chamar o pessoal, ele ampliou demais. Tem várias incompatibilidades e é difícil gerir. Por isso temos que retomar a conversa", completou Zé Neves. 

Zé Neves também destacou que foi o primeiro ex-presidente a declarar apoio ao grupo Pro Santa, que venceu as eleições do Tricolor em fevereiro. O ex-mandatário também aproveitou para destacar alguns erros da atual gestão coral. "Eles entraram e fizeram uma ruptura muito grande e aí o Santa Cruz sentiu. Faltou experiência e as coisas que o futebol exige para uma mudança muito brusca como eles fizeram. Acabaram o time e botaram o treinador para fora a cinco dias de uma competição", finalizou.

O desfecho dessa situação deve acontecer nas próximas horas. Oficialmente, apesar de Zé Neves ainda não confirmar a presença, o colegiado de futebol do Santa Cruz tem a liderança de Mirinda e o apoio de Zé e Romerito Jatobá. Além do trio, os conselheiros Jânio Diniz, Eduardo Petribu e Mizael Wanderley foram indicados pelos membros do Conselho de Administração do tricolor para compor o colegiado.

Reunião com Alexandre Mirinda

Zé Neves e Alexandre Mirinda se reuniram na noite desta quinta-feira e, após o encontro, Neves manteve sua decisão de não integrar o colegiado. Ao Blog do Torcedor, Zé Neves explicou que a decisão dele está relacionada à falta de compatibilidade com outros nomes envolvidos. "A gente ia montar uma estrutura, um planejamento, mas a coisa tomou outra forma. Conversei com ele [Mirinda] agora de noite, numa boa. Ampliou demais e não tem compatibilidade. Cada um tem um jeito de trabalhar, não deu. Expliquei a ele, conversei que não dava para ir e ele entendeu", disse.

Embora não vá integrar o colegiado, José Neves admitiu que pode vir a ajudar Alexandre Mirinda se houver necessidade. "Ele vai tocar isso ai e eu espero que dê certo. Se ele precisar de mim, tiver dúvidas, alguma preocupação... eu gosto muito dele, a gente é amigo. Mas [participar] na linha de frente não dá porque não há compatibilidade", reiterou.

 

Comentários

Últimas notícias