IMUNIZAÇÃO

Primeiro lote da vacina de Oxford contra coronavírus deve chegar em dezembro no Brasil

Governo encomendou 100 milhões de doses da vacina que está em sua terceira e última fase de testes

Thalis Araújo
Thalis Araújo
Publicado em 28/07/2020 às 18:50
Notícia
CADU ROLIM/ESTADÃO CONTEÚDO
O funcionário envolvido "reconheceu que as vacinas foram retiradas intencionalmente da geladeira" - FOTO: CADU ROLIM/ESTADÃO CONTEÚDO
Leitura:

O secretário de vigilância em saúde do Ministério da Saúde, Arnaldo Correia de Medeiros, disse em entrevista ao canal CNN Brasil, que o governo já fez a encomenda de 100 milhões de unidades da vacina contra o novo coronavírus, produzida pela Universidade de Oxford. A imunização está na terceira e última fase de testes. Se a vacina for eficaz e segura, o primeiro lote, com 15 milhões de vacinas, deverá chegar ainda em dezembro deste ano.

>> O que se sabe sobre as vacinas mais avançadas contra o novo coronavírus

>> Vacina de Oxford para coronavírus é segura e induz resposta imune, dizem cientistas

"Nessa encomenda, está previsto o primeiro lote para chegar em dezembro, e o segundo lote em janeiro. Muito em breve, se tudo der certo, nós teremos a vacina em dezembro com a ajuda de Deus e o esforço e trabalho de toda a comunidade científica", disse Medeiros.

Tudo sobre a covid-19

» Saiba tudo sobre o novo coronavírus

» Estou com sintomas de coronavírus. O que fazer?

» Especialistas alertam sobre sintomas menos comuns do coronavírus

» Veja o que se sabe sobre a cloroquina e a hidroxicloroquina no combate ao coronavírus

» Veja locais do Recife que atendem pessoas com sintomas leves do novo coronavírus

» Vacina brasileira para o coronavírus entra em fase de testes em animais

» OMS esclarece que assintomáticos transmitem coronavírus: 'Questão é saber quanto'

Segundo o secretário, serão 15 milhões de vacinas em dezembro e depois mais 15 milhões em janeiro. As outras 70 milhões deverão chegar ao Brasil em lotes sequenciais a partir de maio. O Brasil, ainda de acordo com Arnaldo, tem a vantagem de poder produzir a imunização em território nacional, na fábrica Bio-Manguinhos, da Fundação Oswaldo Cruz.

Vacina do Instituto Butantan

Contudo, a vacina de Oxford não é a única em fase de testes em território nacional. Na última segunda-feira (27), o governador de São Paulo, João Doria (PSDB), informou que a vacina contra a covid-19, que é desenvolvida pelo Instituto Butantan em parceria com a chinesa Sinovac, deve ser distribuída em massa em janeiro de 2021.

Comentários

Últimas notícias