IMUNIZAÇÃO

Pfizer diz que ofereceu ao Brasil 70 milhões de doses de vacina para entrega a partir de dezembro de 2020

A farmacêutica afirmou que os termos do acordo oferecido ao governo federal foram os mesmos aceitos por outros países, que já receberam a vacina

Douglas Hacknen
Douglas Hacknen
Publicado em 08/01/2021 às 22:48
Notícia

JUSTIN TALLIS / AFP
Vacina da Pfizer ainda não está disponível no Brasil - FOTO: JUSTIN TALLIS / AFP
Leitura:

A farmacêutica Pfizer afirmou ter oferecido um lote com 70 milhões de doses de sua vacina contra a covid-19 ao governo Brasileiro, em 15 de agosto de 2020. O comunicado foi divulgado nessa quinta-feira (7) e informava que, caso a compra tivesse sido concluída, a entrega tinha previsão para acontecer a partir de dezembro de 2020. 

>> Bolsonaro pede à Índia urgência para antecipar envio da vacina de Oxford contra covid-19

A empresa americana diz que os termos do acordo oferecido ao Brasil foram os mesmos aceitos por outros países, que já receberam e estão aplicando a vacina desenvolvida pela Pfizer em parceria com a alemã BioNTech.
Além de alegar ter realizado uma primeira tentativa, a Pfizer afirmou que, após agosto, outras duas propostas foram apresentadas. A empresa ainda não fechou contrato com o governo brasileiro. Detalhes sobre as negociações não podem ser revelados por causa de um contrato de confidencialidade, assinado entre as duas partes em 31 de julho. 

“Países como Estados Unidos, Japão, Israel, Canadá, Reino Unido, Austrália, México, Equador, Chile, Costa Rica, Colômbia e Panamá, assim como a União Europeia e outros países, garantiram um quantitativo de doses para dar início à imunização de suas populações, por meio de acordo que engloba as mesmas cláusulas apresentadas ao Brasil”, diz trecho do comunicado.

Como a nota foi divulgada após coletiva de imprensa com ministro da saúde, Eduardo Pazuello, ele não comentou diretamente sobre o tema, mas havia dito que "ela [Pfizer] fez campanha forte para vender a vacina".


RUSSELL CHEYNE / POOL / AFP
Vacina desenvolvida pelo laboratório britânico AstraZeneca com a Universidade de Oxford - FOTO:RUSSELL CHEYNE / POOL / AFP

Comentários

Últimas notícias