TENSÃO

Moradores relatam medo constante enquanto polícia não prende serial killer do Distrito Federal

"Está difícil até dormir direito. A cidade inteira está vivendo em torno disso. Eu até tive que deixar minha casa", relatou um funcionário público

Estadão Conteúdo
Cadastrado por
Estadão Conteúdo
Publicado em 15/06/2021 às 23:51 | Atualizado em 16/06/2021 às 14:40
REPRODUÇÃO
Lázaro mobilizou uma ação policial que durou 20 dias - FOTO: REPRODUÇÃO
Leitura:

com informações do Correio Braziliense

Moradores de Goiás e do Distrito Federal estão sob constante medo desde que Lázaro Barbosa Sousa, 33 anos, começou a aterrorizar a região. O 'serial killer do DF' - termo utilizado por internautas para se referir sobre o caso -, está fugindo da polícia há sete dias. Ele é suspeito de matar uma família em Ceilândia do Norte, no Distrito Federal, invadiu propriedades e fez outras pessoas de reféns.

"Está difícil até dormir direito. A cidade inteira está vivendo em torno disso. Eu até tive que deixar minha casa", relatou o funcionário público Mathias Folha, 20 anos, que mora na zona rural do povoado de Edilândia, em Cocalzinho de Goiás.

Folha afirmou que saiu de casa no último sábado (12) após receber uma ligação da polícia. "Um agente policial falou que minha casa estava na área de risco porque o suspeito estava pela região e ele conhece muito bem", disse. A Polícia Militar do Distrito Federal disse, no entanto, que os moradores não foram orientados a deixar suas casas.

 

As buscas por Lázaro contam com mais de 200 agentes de segurança pública. A Polícia Militar usa helicópteros, cães farejadores, além do auxílio da Polícia Federal e Civil.

Lázaro é suspeito de matar, a tiros e facadas, três pessoas na zona rural de Ceilândia no último dia 9 de junho. Os mortos eram Cláudio Vidal de Oliveira, de 48 anos, e os filhos Gustavo Marques Vidas, de 21 anos, e Carlos Eduardo Marques Vidal, de 15 anos.

O foragido também é suspeito de participar do sequestro da mulher de Cláudio, Cleonice Marques de Andrade. O corpo dela foi encontrado no dia 12 à beira de um córrego, próximo da casa onde a família morava. No mesmo dia, Lázaro fugiu de um cerco policial na cidade de Cocalzinho. Ao fugir, ele trocou tiros com agentes e ateou fogo em uma casa.

Em entrevista na segunda-feira (14), o secretário de Segurança Pública de Goiás, Rodney Marques, classificou o foragido como "psicopata". "Ele, além de ser um psicopata, é da região. É o que nós chamamos de 'mateiro', acostumado a se emburacar no mato. Ele deve ter outra motivação psicótica. Está muito focado em seguir na trajetória criminosa. Mas vamos chegar até ele", afirmou.

Segundo o secretário, na noite dessa segunda-feira, o homem teve contato com duas pessoas na região de Cocalzinho. Em uma das ocasiões, ele teve contato visual. Em outro momento, ele chegou a interagir. "Ele está atrás de comida", contou.

 

 

 

 

Comentários

Últimas notícias