EXTENSÃO

Mancha de óleo tinha 200 quilômetros de extensão em seu marco zero

Mapeamento do local foi feito por companhia de geointeligência

Agência Brasil Agência Brasil
Agência Brasil
Agência Brasil
Publicado em 01/11/2019 às 21:06
Notícia
Foto: Ülari Tomson/ Marine Traffic
FOTO: Foto: Ülari Tomson/ Marine Traffic
Leitura:

O marco zero da mancha de óleo que atinge as praias do Nordeste brasileiro desde o início de setembro foi localizado entre os dias 23 e 24 de outubro. A mancha original tinha 200 quilômetros de extensão e estava a pouco mais de 700 quilômetros da costa brasileira. O mapeamento do local exato onde o vazamento começou foi feito pela empresa Hex Tecnologias Geoespaciais.

“Nos interessamos por esse tema e começamos a fazer essa investigação. Usamos diversos tipos de imagens provenientes de satélites ópticos e de radar. Fomos montando um exercício dia a dia para o passado, até que nos deparamos com a mancha, o ponto zero”, explicou Leonardo Barros, diretor-executivo da empresa.

Os técnicos da empresa encontraram o ponto inicial da mancha seguindo o rastro do óleo, utilizando imagens de dias anteriores até chegar à resposta. Em seguida, buscaram o navio que, supostamente, vazou o óleo. Foram feitos cruzamentos de imagens de radar com os sinais Automatic Identification System (AIS) emitidos pelos navios.

“Neste momento nós conseguimos achar uma determinada embarcação que coincidiu a data, localização e trajetória”, disse Barros. Segundo ele, não foi identificado nas imagens de satélite de radar nenhum navio “fantasma”, ou seja, embarcação navegando sem um sinal AIS correspondente.

Navio Bouboulina

Nesta sexta-feira (1º), a Polícia Federal anunciou que o navio é proveniente da Grécia. A embarcação grega teria atracado em 15 de julho na Venezuela, onde ficou por três dias antes de seguir para Singapura, via África do Sul. 

Barros disse que cessou o monitoramento assim que o navio chegou à África do Sul, mas disse ser possível precisar a localização atual da embarcação com as mesmas técnicas de monitoramento.

Os estudos da Hex foram entregues à Polícia Federal no dia 25 de outubro. As investigações, que começaram no final de setembro de forma espontânea, passaram a ser acompanhadas pela Agência Brasileira de Inteligência (Abin). “A Abin nos contatou e nos questionou se tínhamos algum know how [para auxiliar nas investigações] e dissemos que já estávamos fazendo essas análises. Quando tivemos a primeira informação da mancha, informamos a Abin e ela nos orientou a destinar todo o resultado desse trabalho para a Polícia Federal”.

Foto: Litsa Vroutsi-Sanoudou/ Marine Traffic
Bouboulina, de origem grega, em Piraeus, próximo a Atenas - Foto: Litsa Vroutsi-Sanoudou/ Marine Traffic
Foto: Mats Klevtorp/ Marine Traffic
A embarcação responsável pelo derramamento de óleo em Helsingborg, cidade portuária da Suécia - Foto: Mats Klevtorp/ Marine Traffic
Foto: Brian Maniglia/ Marine Traffic
Navio no Rio Delaware, nos Estados Unidos - Foto: Brian Maniglia/ Marine Traffic
Foto: Ülari Tomson/ Marine Traffic
Bouboulina no Golfo da Finlândia - Foto: Ülari Tomson/ Marine Traffic
Foto: Nikoka Vouras/ Marine Traffic
Navio Bouboulina em São Sebastião, em São Paulo - Foto: Nikoka Vouras/ Marine Traffic
Foto: Cláudio Ritossa/ Marine Traffic
Bouboulina no Trieste, nordeste da Itália - Foto: Cláudio Ritossa/ Marine Traffic
Foto: Huw/ Gibby/ Marine Traffic
A embarcação também esteve em Gibraltar, na costa sul da Espanha - Foto: Huw/ Gibby/ Marine Traffic
Foto: Cesar T. Neves/ Marine Traffic
Bouboulina em Angra dos Reis, no Rio de Janeiro - Foto: Cesar T. Neves/ Marine Traffic
Foto: Piet Verspui/ Marine Traffic
Bouboulina em Callandkanaal Rott, nos Países Baixos - Foto: Piet Verspui/ Marine Traffic
Foto: Leo Noordij/ Marine Traffic
Navio Bouboulina em Roterdã, na província da Holanda do Sul - Foto: Leo Noordij/ Marine Traffic

Investigações da PF

A Polícia Federal (PF) deflagrou nesta sexta a Operação Mácula, com objetivo de investigar a embarcação suspeita, identificada nos radares. A PF solicitou diligências em outros países, a fim de obter mais dados sobre a embarcação, a tripulação e a empresa.

A PF esteve na sede do escritório da Witt O’Brien's, empresa especializada em gerenciamento de emergências em navios. Em nota, a empresa negou trabalhar para a embarcação grega suspeita do derramamento de óleo. “A Witt O´Brien's informa a todos que, esse navio ou seu armador jamais foi cliente da Witt O’Brien's no Brasil e que o Brasil não exige que navios tenham contratos pré-estabelecidos para combate a emergências. […] A Witt O´Brien´s Brasil afirma que está à disposição das autoridades brasileiras e que contribuirá com todas as informações necessárias”.

A PF informou que está realizando “diversos exames periciais no material oleoso recolhido em todos os estados brasileiros atingidos, bem como exames em animais mortos, já havendo a constatação de asfixia por óleo, assim como a similaridade de origem entre as amostras”.

Últimas notícias