LARVAS

Criança recebe alta após ser internada com larvas na cabeça no Recife

A situação da criança e da família já vinha sendo acompanhada há cerca de 2 anos pelo conselho tutelar

JC Online
JC Online
Publicado em 24/10/2017 às 10:15
Foto: Acervo JC Imagem
A situação da criança e da família já vinha sendo acompanhada há cerca de 2 anos pelo conselho tutelar - FOTO: Foto: Acervo JC Imagem
Leitura:

Após o caso da menina de 2 anos internada em Olinda com larvas na cabeça, outro caso semelhante veio à tona. Desta vez, uma menina de 9 anos foi internada no Instituto de Medicina Integral Professor Fernando Figueira (Imip), na última semana, com os mesmos sintomas. Segundo o conselheiro tutelar Talles Pitter, a situação da família já vinha sendo acompanhada pela Justiça há cerca de dois anos.

"Havia um histórico de mendicância, de abandono intelectual e nós não estávamos mais conseguindo ter acesso a esta família. Recebemos uma denúncia, fomos até a casa da família na ilha de Joana Bezerra, área central do Recife e lá soubemos que a mãe estava com a menina no Imip. No hospital, constatamos a veracidade da informação e soubemos que a criança apresentava um caso de Milíase - larvas no couro cabeludo", conta o conselheiro.

"Devido a todo o histórico, achamos melhor encaminhar o caso ao Ministério Público e ao poder Judiciário. Um mandado de busca e apreensão da criança deve ser expedido e cumprido ainda nesta segunda", continua. Ainda segundo Pitter, a menina está bem e  recebeu alta na manhã desta terça-feira (24), mas permanece no hospital aguardando um oficial de justiça para levá-la até uma casa de acolhida.

A irmã dela, uma adolescente de 12 anos, também será afastada da mãe. "Ainda há uma questão que a mulher que acompanha a menina de 9 anos no Imip pode não ser a mãe da criança, pois esta não apresenta o nome da mulher no registro", finaliza o conselheiro.

Penalidade

Devido ao histórico da família, a possibilidade das meninas irem para a companhia do pai foi descartada pelo Conselho Tutelar. A mulher pode receber advertências ou até perder a guarda das duas meninas.

O jornalismo profissional precisa do seu suporte. Assine o JC e tenha acesso a conteúdos exclusivos, prestação de serviço, fiscalização efetiva do poder público e muito mais.

Apoie o JC

Últimas notícias