Swell

Ondas gigantes causam danos em praias de Fernando de Noronha

A praia mais atingida foi a da Conceição, local onde o mar derrubou três coqueiros e danificou parte da estrutura de um bar

JC Online
JC Online
Publicado em 02/03/2018 às 21:28
Foto: Taíza Novaes/Divulgação
A praia mais atingida foi a da Conceição, local onde o mar derrubou três coqueiros e danificou parte da estrutura de um bar - FOTO: Foto: Taíza Novaes/Divulgação
Leitura:

As ondas gigantes que atingiram o mar de Fernando de Noronha na madrugada e durante todo o dia desta sexta-feira (2) provocaram muitos transtornos nas praias que ficam na costa do mar de dentro.

De acordo com a administração da Ilha, o rastro deixado pelo swell, fenômeno natural provocado por tempestades em alto mãe que produz ondas gigantes, um dos maiores dos últimos cinco anos, foi de invasão da faixa de areia, queda de árvores, coqueiros e erosão nas praias. As praias de Porto de Santo Antônio, Cachorro, Conceição, Boldró, Meio, Americana, Bode e Cacimba do Padre sofreram com o fenômeno.

A praia mais atingida foi a praia da Conceição, local onde o mar derrubou três coqueiros e danificou parte da estrutura do bar de Duda Rei e danificou alguns eletrodomésticos.

Segundo o pesquisador Leo Veras, o avanço do mar foi provocado pela coincidência do pico do swell aliado a maré e lua cheias.

Porto sem danos

De acordo com a administração, este ano, o Porto de Santo Antônio, uma das maiores preocupações da Administração da Ilha, não sofreu os efeitos do fenômeno. Segundo o pesquisador, isso aconteceu por causa da direção das ondas, que se deslocaram do Norte. Com isso, antes de chegarem ao Porto, as ondas passaram pelas ilhas secundárias e pela Viuvinha, fato que diminuiu o impacto causado na área que sempre é castigada pelo swell. “O Porto fica mais vulnerável quando as ondas vêm do Noroeste, elas entram pela abertura (do Porto) e agridem mais essa região”, explicou. 

Prevenção

Durante os dias do fenômeno, houve o cancelamento das atividades náuticas no Porto, a transferência das embarcações de pequeno porte para a Baia do Sueste e a retirada do píer flutuante de embarque de passageiros.

O trabalho preventivo realizado pela Administração do Distrito Estadual de Fernando de Noronha (ADEFN) em conjunto com a Capitania dos Portos, o Instituto Chico Mendes da Biodiversidade (ICMBio) e a Associação de Barcos de Turismo (Abatur) e a antecedência na divulgação da chegada do fenômeno.

Uma vistoria foi realizada na manhã desta sexta-feira (02) pelo administrador da Ilha, Plínio Pimentel, nas praias atingidas pelo swell. 

Últimas notícias