DESCASO

Com sete tumores, mulher luta na Justiça para conseguir medicamento

Iara Ferreira conseguiu na Justiça uma liminar para que o Estado custeie o tratamento, mas a Secretaria de Saúde não cumpriu a decisão

Amanda Rainheri
Amanda Rainheri
Publicado em 12/02/2020 às 15:03
Notícia
Foto: Divulgação
Iara Ferreira conseguiu na Justiça uma liminar para que o Estado custeie o tratamento, mas a Secretaria de Saúde não cumpriu a decisão - FOTO: Foto: Divulgação
Leitura:

"Eu só quero poder viver, para ver a minha filha crescer." A filha de 3 anos é a motivação de Iara Ferreira, 43, para lutar contra o câncer de fígado que descobriu em 2016, já em estado avançado. De lá pra cá, tem enfrentado uma verdadeira batalha na Justiça para conseguir que o Estado custeie o tratamento dos tumores, que não são operáveis. A demora para o fornecimento dos medicamentos já fez com que o caso piorasse e a doença se espalhasse. Hoje Iara tem sete tumores, com metástase no pulmão. E a espera por respostas continua. 

>> Técnicos e auxiliares de enfermagem voltam a protestar na Agamenon Magalhães, nesta quarta

Ano passado, Iara descobriu que os medicamentos que utilizava e conseguia com dificuldade e atraso junto ao governo não estavam fazendo efeito. Ela, que faz tratamento no Hospital do Câncer de Pernambuco (HCP), recebeu uma nova prescrição. Precisa da medicação Everlimo, que custa de R$ 10,6 mil a R$ 14 mil mensais. Sem condições de arcar com os custos, recorreu mais uma vez à Justiça para que o governo arque com as despesas médicas. Em janeiro, conseguiu liminar favorável para a compra do medicamento pelo SUS, mas até agora a decisão não foi cumprida pela Secretaria Estadual de Saúde (SES). 

"É um descaso total. Eu tenho o direito de viver, tenho minha filha que precisa de mim e está vendo todo esse sofrimento. Eu peço a Deus que me ajude a ver ela crescer. Minha situação está muito avançada e eu necessito da medicação. Eu vou lutar até o fim, porque sei que estou lutando por um direito meu", afirma Iara. 

Sem retorno das autoridades, ela não está tomando nenhuma medicação para o tratamento do câncer. "Esse medicamento ajudaria a inibir o crescimento dos tumores, tanto do fígado quanto do pulmão. Eu hoje só tomo morfina para a dor e nem ela está dando conta, preciso antecipar as doses porque tenho dores muito fortes", conta. 

A família, que acumula dívidas, aposta em uma corrente do bem para que Iara comece o tratamento com o Everlimo. Uma vaquinha tem sido divulgada através de aplicativos de mensagens. Quem quiser ajudar, pode doar qualquer valor em uma das contas de Iara:

Caixa Econômica Federal:

Iara Ferreira Leandro Vieira, CPF: 922.260.094-68, agência 0045, operação 13, poupança 00569415-06

Bradesco

Iara Ferreira Leandro Vieira da Rocha, CPF: 922.960.094-68, agência 2518-6, conta-corrente 0006594-3

RESPOSTA

Em nota, a SES informou que foi notificada apenas no final do último mês de janeiro sobre a referida decisão judicial para o fornecimento do medicamento everolimo para a paciente Iara Ferreira. "O caso está sendo acompanhado pelo Núcleo de Ações Judiciais (NAJ), que já deu início ao processo de compra. É importante destacar que, mesmo se tratando de uma medida judicial, o Estado precisa seguir todos os trâmites legais da administração pública para aquisição do insumo", diz um trecho do comunicado.

A SES destacou ainda que, em processo anterior, a paciente requereu o medicamento octreotida LAR 30 mg. "O fármaco foi dispensado entre os meses de agosto de 2017 e junho de 2018, pois a própria paciente apresentou laudo médico indicando a suspensão do tratamento. O uso do medicamento voltou a ser feito em outubro de 2018, tendo um novo pedido de interrupção, por solicitação da paciente, em julho de 2019, quando apresentou novo laudo médico informando da paralisação do tratamento com uso da octreotida."

O jornalismo profissional precisa do seu suporte. Assine o JC e tenha acesso a conteúdos exclusivos, prestação de serviço, fiscalização efetiva do poder público e muito mais.

Apoie o JC

Últimas notícias