HISTÓRIA

A misticidade que envolve o Homem da Meia Noite, símbolo do Carnaval de Olinda

Conheça a história e o legado do calunga pernambucano

Cleide Alves
Cleide Alves
Publicado em 07/02/2020 às 11:53
BOBBY FABISAK/JC IMAGEM
Bloco do Homem da Meia-Noite, que abre o carnaval de Olinda - FOTO: BOBBY FABISAK/JC IMAGEM
Leitura:

Não é toda criatura do sexo masculino que tem a proeza de chegar aos 88 anos de idade arrancando suspiros da mulherada. E antes que vocês me acusem de preconceito, ou de estar puxando a brasa para minha sardinha, vou logo revelar a identidade do sujeito: O Homem da Meia Noite. Sim, ele mesmo, o famoso calunga do Carnaval de Olinda. Quem já viu um desfile do gigante sabe exatamente do que estou falando. Elegante em seus quase quatro metros de altura, ele tem um encantamento que nenhum outro tem.

A bem da verdade, o Homem da Meia Noite fascina a todos, sem distinção. Para as mulheres, ele é um sedutor irresistível, cercado de mistérios. “Nunca vi um homem com tanta mulher e nenhuma ter ciúme”, brinca Ana Maria de Luna, 71 anos, fã assumida do calunga. Para os homens, ele é a identidade da festa. “Se a pessoa mora aqui e não viu a saída do Homem da Meia Noite, não houve Carnaval”, resume Alberto Batista, 52, filho de João Marcelino Batista, que fazia as alegorias da agremiação, sediada no Sítio Histórico.

» Homem da Meia Noite irá homenagear a água no Carnaval 2020

» Homem da Meia Noite vai desfilar no Carnaval de Salvador em 2020

» Homem da Meia Noite terá reforço de UTIs móveis para eventuais atendimentos em 2020

» Carlos da Burra é o novo carregador oficial do Homem da Meia Noite

Nascimento

Vamos, então, contar a história desse ser mágico, místico, enigmático e indecifrável. Para começar, ele tem duas possíveis datas de nascimento, 7 de janeiro ou 2 de fevereiro de 1932, e várias versões para explicar sua origem. O Clube de Alegoria e Crítica O Homem da Meia Noite, quase todo mundo sabe, foi criado a partir de uma dissidência política de seis integrantes da Troça Cariri. Mas por que o desfile à meia-noite?

“Uns dizem que a escolha da meia-noite do Sábado de Zé Pereira era para o clube sair antes de Cariri, havia muita rivalidade na época”, explica Luiz Adolpho Alves da Silva, presidente da agremiação carnavalesca há 17 anos. “Outros dizem que meia-noite é um horário carregado de mistérios para o povo brasileiro, é a hora do medo, do lobisomem, por isso o clube sai a essa hora”, acrescenta. Seja lá o que for, a brincadeira deu mais do que certo.

Foto: Bobby Fabisak/JC Imagem
2012 - Foto: Bobby Fabisak/JC Imagem
Foto: Edmar Melo/Acervo JC Imagem
2013 - Foto: Edmar Melo/Acervo JC Imagem
Foto: Edmar Melo/Acervo JC Imagem
2014 - Foto: Edmar Melo/Acervo JC Imagem
Foto: Sergio Bernardo/Acervo JC Imagem
2015 - Foto: Sergio Bernardo/Acervo JC Imagem
Foto: Guga Matos/Acervo JC Imagem
2016 - Foto: Guga Matos/Acervo JC Imagem
Foto: Diego Nigro/Acervo JC Imagem
2017 - Foto: Diego Nigro/Acervo JC Imagem
Foto: Felipe Ribeiro/JC Imagem
2018 - Foto: Felipe Ribeiro/JC Imagem

Tão certo quanto o calunga de madeira criado por Benedito Bernardino da Silva, músico, carpinteiro e um dos fundadores do clube, para ser o símbolo da agremiação. É ele o encantador das mulheres. E quem seria esse boneco de 49,5 quilos de peso? O tranca-ruas da umbanda? Uma figura inspirada no filme O Ladrão da Meia-Noite? Ou a representação de um Don Juan tupiniquim das ladeiras de Olinda? O galanteador é uma das versões mais populares para explicar a criação do boneco, diz Luiz Adolpho.

“Contam que Benedito estava na calçada de casa quando um homem alto, forte, elegante, de roupa verde e branca, chapéu preto e dente de ouro na boca passou e fez um aceno. Ele viu essa figura outras vezes, resolveu segui-la um dia e descobriu que era um Don Juan, que pulava a janela das donzelas para namorar”, relata. Verdade ou não, o Homem da Meia Noite nasceu exatamente com essa forma. Só muito tempo depois o chapéu foi substituído pela cartola e deu ao namorador de plantão o ar de lorde mantido até hoje.

» Carnaval 2020: frevo é maravilha de Pernambuco que nenhuma outra terra tem

» José Teles: No Carnaval, seguir bloco é feito se apaixonar

» Veja programação do Carnaval 2020 no Recife e Olinda

Se o calunga dos desfiles ainda é o mesmo, só Deus sabe. Um incêndio no quintal de um dos diretores do clube, na década de 1940, teria destruído o cortejador de mulheres e o boneco teria sido refeito. “Muita gente garante que ainda é o original, pelo menos a cabeça, com pequenas modificações, como a cartola colocada na época do presidente Isnard Colombo”, diz Luiz Adolpho. “Cresci ouvindo tudo isso e creio que cada um tenha sua própria história para o Homem da Meia Noite”, observa.

Luiz Adolpho considera 7 de janeiro o dia da fundação do clube, com sede na Estrada do Bonsucesso, e 2 de fevereiro, Dia de Iemanjá, a data de nascimento do calunga que tem o dom de hipnotizar foliões e é Patrimônio Vivo de Pernambuco desde 2006. “O desfile do Homem da Meia Noite é quase uma romaria religiosa em Olinda, há uma multidão atrás da orquestra de frevo e essas pessoas não ouvem mais o som, elas seguem um símbolo”, descreve.

“Nunca deixei de acompanhar o Homem da Meia Noite, moro na Rua do Amparo e o cortejo passa por lá, mas não espero em casa, a graça é vir para a saída, na sede”, diz Alberto Batista. “Quando era pequeno minha mãe me trazia, ela botava os filhos sentados na mureta da Igreja do Rosário para ver o desfile. A magia do boneco é ele ser a identidade do Carnaval de Olinda”, reforça.

Filha do ex-presidente Isnard Colombo, Ana Maria de Luna desfilava no clube no tempo das alegorias e da cavalaria à frente do calunga. “Fui dama e colombina, meu irmão mais velho ia no cavalo. Depois de casada, meu marido não queria que eu viesse nem olhar, pois eu deixava ele em casa e vinha ver o desfile, é uma emoção tão grande quando esse boneco sai que eu me arrepio só de falar”, diz Ana Maria, moradora de Bairro Novo.

“A saída do boneco é bonita e o retorno é lindo, ele volta com a mesma elegância, depois de desfilar por quatro horas, esse homem é o homem da gente”, comenta Josefa Xavier de Menezes, 88, moradora da Estrada do Bonsucesso e vizinha da sede do Homem da Meia Noite. “No dia do desfile as pessoas se penduram na grade da minha casa, eu deixo e fico feliz em ver tanta gente querendo admirá-lo.”

José Xavier de Menezes Bezerra, 65, filho de Josefa, preserva o mesmo carinho pelo boneco. “O que ele tem para atrair a todos, não sei explicar, só sei que um olindense de verdade não perde o Homem da Meia Noite no Carnaval”, sublinha. Nem deixa de ver o calunga, com seu relógio que marca a saída pontual à meia-noite, entregar a chave da cidade à troça Cariri e, juntos, decretarem a abertura do Carnaval da cidade.

Últimas notícias