Amamentação

Mamaço reúne mães e bebês e encerra Agosto Dourado em Olinda

Evento aconteceu na Praça do Carmo. Mais de 50 mães se reuniram para assistir a palestras sobre a importância da amamentação

Maria Luísa Ferro
Maria Luísa Ferro
Publicado em 30/08/2017 às 14:51
Foto: Filipe Jordão / JC Imagem
FOTO: Foto: Filipe Jordão / JC Imagem
Leitura:

Para encerrar as comemorações do Agosto Dourado, mês dedicado à promoção do aleitamento materno, a Secretaria de Saúde de Olinda promoveu na manhã desta quarta-feira (30) um mamaço. Cerca de 50 mães se reuniram na Praça do Carmo, com suas famílias e seus bebês, para assistir a palestras sobre a importância do leite materno para mãe e bebê, e o mais importante, amamentar livremente.

De acordo com a coordenadora da saúde da criança e do adolescente, Alessandra Fam, o grande objetivo do evento, que foi trabalhado ao longo do mês pelos agentes de saúde, era mostrar que todos podem e devem apoiar a mulher que amamenta. "Qualquer um tem esse poder e esse direito de apoiar uma mulher que amamenta. Esse evento de hoje quer convidar as pessoas a estarem juntos de uma mulher que você conhece que amamenta, de que qualquer maneira, seja com uma mão no cabelo, segurando a criança, deixando-a segura", explica.

Para a dona de casa Valéria Gomes, 31 anos, mãe pela segunda vez recentemente, a amamentação tem uma importância muito grande em sua vida. "Representa muito para mim. Meu filho mamou até que eu ficasse grávida dela, e agora ela também mama. É uma conexão forte, além da saúde da criança, que ajuda muito. O mais velho quase nunca fica doente", conta.

Já Luana Santos, 35 anos, técnica em radiologia, mãe de Mayla, de três meses, espera ensinar aos filhos a importância de amamentar. "Quero ensinar a ela, e ao meu filho também, que vai ser pai um dia, que o leite materno é muito importante para o desenvolvimento do bebê, os dentes, a saúde no geral. Além de ser um ato de amor", afirma.

Foto: Luisi Marques / JC Imagem
- Foto: Luisi Marques / JC Imagem
Foto: Filipe Jordão / JC Imagem
- Foto: Filipe Jordão / JC Imagem
Foto: Filipe Jordão / JC Imagem
- Foto: Filipe Jordão / JC Imagem
Foto: Filipe Jordão / JC Imagem
- Foto: Filipe Jordão / JC Imagem
Foto: Filipe Jordão / JC Imagem
- Foto: Filipe Jordão / JC Imagem
Foto: Filipe Jordão / JC Imagem
- Foto: Filipe Jordão / JC Imagem
Foto: Filipe Jordão / JC Imagem
- Foto: Filipe Jordão / JC Imagem
Foto: Luisi Marques / JC Imagem
- Foto: Luisi Marques / JC Imagem
Foto: Luisi Marques / JC Imagem
- Foto: Luisi Marques / JC Imagem
Foto: Luisi Marques / JC Imagem
- Foto: Luisi Marques / JC Imagem

Banco de Leite

As mulheres com dificuldade na amamentação ou com excesso de leite devem procurar os bancos de leite dos hospitais em Pernambuco. Só no Recife, são seis bancos públicos espalhados pela cidade. A coordenadora do banco de leite do Centro Integrado de Saúde Amauri de Medeiros (CISAM), Dra. Igara Melcop alerta que as doações de leite materno são sempre bem vindas nos bancos, mas é preciso seguir algumas orientações.

"Para ser uma mãe doadora, é necessário estar amamentando, primeiro de tudo, e com leite em excesso. Depois, entrar em contato com o banco de leite e preencher uma ficha. Após a desmama, o leite deve ser colocado em um pote de café solúvel com tampa rosqueável, higienizado anteriormente e sem o papel da embalagem, que sai na água fervente. Depois disso, o pote com leite deve ser colocado no freezer etiquetado com o nome da mãe, a data e a hora. Ai, é só entrar em contato com o banco de leite, que eles buscam em casa", explica.

Últimas notícias