'O Escolhido' faz suspense 'à brasileira' na Netflix

Série protagonizada por Paloma Bernardi confronta a ciência contra a religião

Foto: Emiliano Capozoli/Netflix
Série protagonizada por Paloma Bernardi confronta a ciência contra a religião - FOTO: Foto: Emiliano Capozoli/Netflix

A série O Escolhido é o mais novo título brasileiro original da Netflix. Lançada globalmente na última sexta-feira (28) em 190 países, a obra de Raphael Draccon e Carolina Munhóz envereda pelo mistério e o suspense, ampliando o leque de gêneros produzidos no Brasil para a plataforma.

Estrelado por Paloma Bernardi e Renan Tenca, O Escolhido é baseado na série mexicana Niño Santo, criada por Mauricio Katz e Pedro Peirano em 2011. Em seis episódios, com direção de Michel Tikhomiroff, a obra traz a história de três jovens médicos enviados a uma aldeia remota no Pantanal para vacinar os moradores contra uma nova mutação do vírus zika. Entretanto, se veem presos em uma comunidade isolada cheia de segredos e devotada a um líder misterioso, que os força a confrontar o poder da fé contra a ciência.

O Jornal do Commercio conferiu o primeiro episódio intitulado Missionários da Morte. Nele, conhecemos os médicos Lucia (Bernardi), Damião (Pedro Caetano) e Enzo (Gutto Szuster), além do misterioso Mateus (Tenca), “o Escolhido” de Aguazul.

Em 43 minutos, já é possível entender a conduta do povoado, preso à fé apregoada por Mateus e a determinação de Lucia em tentar, a princípio, resolver a questão da vacinação do local. Flashbacks do passado da médica também revelam que a dualidade entre religião e ciência já custou caro dentro de sua própria família.

Com um gancho forte ao fim do episódio inicial, O Escolhido aparenta ser uma boa pedida para quem gosta de suspense e quer dar uma chance a mais uma produção nacional da plataforma, que em nada fica a dever para uma série semelhante enlatada.

VEJA O TRAILER DA SÉRIE:

O jornalismo profissional precisa do seu suporte. Assine o JC e tenha acesso a conteúdos exclusivos, prestação de serviço, fiscalização efetiva do poder público e muito mais.

Apoie o JC

Últimas notícias