Sucesso

Tranquilidade e nostalgia marcam o show Legião Urbana XXX Anos em Olinda

Mais de 10 mil pessoas se reuniram na área interna do Centro de Convenções para a apresentação que fez bonito do palco ao público

Robson
Robson
Publicado em 28/05/2016 às 8:00
Foto: Instagram/@alcidesferri/Reprodução
Mais de 10 mil pessoas se reuniram na área interna do Centro de Convenções para a apresentação que fez bonito do palco ao público - Foto: Instagram/@alcidesferri/Reprodução
Leitura:

A banda é de Brasília, mas com pontualidade britânica. À meia-noite e ponto, o público recifense foi convidado a participar da festa de 30 anos da Legião Urbana, algo tão esperado por Dado Villa-Lobos e Marcelo Bonfá, os anfitriões vivos e originais da festa. Ao som de Será? - assim como a primeira faixa do primeiro disco da banda formada por eles mais os Renatos Rocha e Russo - as mais de 10 mil pessoas faziam um coro apaixonado e estavam dispostos a fazer daquela noite inesquecível. A banda Mundo Livre S/A, encarregada pela abertura, fez uma apresentação enxuta, que terminou bem antes do horário previsto.

O primeiro bloco do show, que contemplou o repertório do disco de estreia da banda, foi arrasador. Além de poder ouvir Dado Villa-Lobos cantando, revelou-se uma grata surpresa os vocais de André Frateschi. Fã declarado do conjunto (ele afirmou isso no palco), o ator e cantor surpreendeu pela energia, simpatia e performances bem executadas. Ele não era o Renato Russo, tampouco fez questão de ser, e ganhou o público da mesma forma, que se entregou às suas interpretações a faixas como Ainda é Cedo, Geração Coca-Cola e Baader-Meinhof Blues.

Ao som de Por Enquanto (um dos momentos mais bonitos do show), o primeiro momento foi encerrado. E após um depoimento em off de Russo, deu-se início ao bloco de sucessos dos brasilienses. Foi o espaço para executar canções como Há Tempos, Teatro dos Vampiros, Pais e Filhos e Índios. Dado Villa-Lobos ainda trouxe como convidados o "torcedor do Santa Cruz" Cannibal e os cantores Jonnata Doll e Marina Franco.

Faroeste Caboclo e Que País é esse? encerraram este show de rock atípico, em que a tranquilidade imperou nas duas horas e vinte de apresentação. A divisão entre "área vip" e "arena" era quase imperceptível tamanha a sintonia que os fãs demonstravam ao cantar cada verso das canções e gritar "Uh! Uh! É Legião" entre uma faixa e outra, sem nenhuma alteração, brigas e nem mesmo as "rodas de pogo". Não era um show de camisas pretas, e sim, de todas as cores e idades que celebraram pacificamente os trinta anos de uma das bandas mais emblemáticas do rock nacional.

Newsletters

Ver todas

Fique por dentro de tudo que acontece. Assine grátis as nossas Newsletters.

Últimas notícias