REFORMULAÇÃO

Estado amplia lei do patrimônio vivo

Anúncio foi feito durante a cerimônia de diplomação dos patrimônios vivos de Pernambuco

Nathália Pereira
Nathália Pereira
Publicado em 19/08/2016 às 11:22
Alexandre Gondim/JC Imagem
Anúncio foi feito durante a cerimônia de diplomação dos patrimônios vivos de Pernambuco - FOTO: Alexandre Gondim/JC Imagem
Leitura:

O Dia Nacional do Patrimônio Histórico, celebrado no dia 17 agosto,foi marcado por um anúncio importante para a cultura pernambucana. Durante a cerimônia de diplomação dos novos patrimônios vivos do Estado, realizada na manhã da quarta-feira (17), no Teatro de Santa Isabel, o secretário de cultura de Pernambuco, Marcelino Granja, e a presidente da Fundação do Patrimônio Histórico e Artístico de Pernambuco (Fundarpe), Márcia Souto, anunciaram que a partir do edital 2017, a Lei do Patrimônio Vivo passará a diplomar seis e não mais três nomes a cada edição. “O governador (Paulo Câmara) está enviando para a Assembleia Legislativa a reformulação na lei ampliando a nomeação”, declarou Márcia.

O evento, parte da programação da Semana do Patrimônio Cultural, realizada pela Fundarpe em conjunto com a Secretaria de Cultura, titulou 39 patrimônios vivos -nomes como Lia de Itamaracá, Maestro Duda, Maestro Ademir Araújo, Jota Borges e o Caboclinho Sete Flechas - , incluindo os três novos contemplados, a repentista Mocinha de Passira, o cineasta Lula Gonzaga e a Troça Carnavalesca Mista Cariri Olindense, eleitos a partir do edital 2014.

“Deixo aqui meu agradecimento de corpo e alma porque ainda estou vivíssima e em plena atividade”, falou Mocinha de Passira. Além do título, todos os contemplados recebem uma pensão vitalícia para que mantenham as ações ligadas às suas artes. O diploma de artistas já falecidos, como Selma do Coco e Ana das Carrancas, foi entregue a seus representantes.

Até o final deste ano, serão eleitos mais outros seis novos patrimônios, referentes aos editais de 2015 e 2016, não lançados à época devido à extinção do antigo Conselho Estadual de Cultura, decisão tomada em 2013 pelo então governador Eduardo Campos para que Pernambuco aderisse ao Sistema Nacional de Cultura (SNC). A partir daí, foi iniciado o processo para a elaboração do atual Conselho Estadual de Preservação do Patrimônio Cultural, empossado em dezembro de 2015 pelo governador Paulo Câmara.

Houve, ainda durante a ocasião, a entrega do Prêmio Ayrton de Almeida Carvalho de Preservação do Patrimônio Cultural de Pernambuco ao Instituto de Desenvolvimento e Gestão (IDG), com a ação Paço do Frevo, na categoria Formação; a Sandro Lins Rodrigues, pelo aplicativo Patrimônio PE Mobile, na categoria de Promoção e Difusão, e a Severino Ribeiro da Silva, com a Criação de Arquivos Públicos Municipais de Pernambuco, na categoria Documentais e Memória Cultural. Lançado em 2015, o prêmio tem o intuito de incentivar a participação social em atividades que promovam e valorizem a cultura local.

Ao final, o secretário Marcelino Granja falou sobre o orçamento previsto para a cultura no ano que vem. “Teremos R$ 36 milhões em recursos concretos destinados ao edital Funcultura 2016/2017”. Uma apresentação da Troça Cariri Olindense encerrou a atividade com direito orquestra de frevo e passistas no palco do Santa Isabel.

O jornalismo profissional precisa do seu suporte. Assine o JC e tenha acesso a conteúdos exclusivos, prestação de serviço, fiscalização efetiva do poder público e muito mais.

Apoie o JC

Últimas notícias