PERIGOSO

Samsung suspende a venda do Galaxy Note 7 após casos de explosão da bateria

Um milhão de aparelhos Galaxy Note 7 já foram vendidos na Coreia do Sul e EUA

AFP
AFP
Publicado em 02/09/2016 às 8:49
Foto: JUNG YEON-JE / AFP
Um milhão de aparelhos Galaxy Note 7 já foram vendidos na Coreia do Sul e EUA - FOTO: Foto: JUNG YEON-JE / AFP
Leitura:

A Samsung Electronics anunciou nesta sexta-feira (2) que vai suspender a venda do smartphone Galaxy Note 7 após incidentes que implicariam a explosão da bateria do modelo.

A empresa informou que substituirá os aparelhos das pessoas que compraram este modelo de smartphone.

"Recebemos várias informações sobre a explosão da bateria do Note 7, que foi lançado oficialmente em 19 de agosto", afirmou à imprensa o diretor do departamento mobile da empresa sul-coreana, Koh Dong-Jin. 

"Foi confirmado que era um problema da bateria", disse".

A Samsung já vendeu um milhão de aparelhos Galaxy Note 7 na Coreia do Sul e nos Estados Unidos.

Vinte e quatro aparelhos apresentaram problemas de bateria, segundo Koh Dong-Jin, que afirmou "lamentar profundamente" o incidente.

Donos do aparelho começaram a publicar fotos e vídeos do Note 7, alguns deles totalmente carbonizados. Os internautas afirmaram que o smartphone pegou fogo de forma súbita.

Os problemas levaram a Samsung a suspender as entregas no mercado interno e a atrasar o lançamento do produto em alguns mercados europeus.

A situação representa um grande revés para a empresa sul-coreana, que havia anunciado em julho uma alta do lucro superior ao previsto no segundo trimestre, graças às boas vendas dos modelos Galaxy S7 e S7 Edge.

A divisão mobile da Samsung representa a parte mais forte da atividade do grupo. Nos últimos anos, a empresa enfrenta a concorrência da Apple nos modelos de alto custo e de fabricantes chineses, como a Huawei, nos produtos de médio e baixo custo.

O jornalismo profissional precisa do seu suporte. Assine o JC e tenha acesso a conteúdos exclusivos, prestação de serviço, fiscalização efetiva do poder público e muito mais.

Apoie o JC

Últimas notícias