Tempo de festa

Festas de confraternização lotam restaurantes do Recife

Com dinheiro no bolso e clima de confraternização, consumidor vai festejar nos restaurantes do Recife

Marília Banholzer
Marília Banholzer
Publicado em 08/12/2019 às 18:37
Notícia
Foto: Bobby Fabisak/JC Imagem
Com dinheiro no bolso e clima de confraternização, consumidor vai festejar nos restaurantes do Recife - FOTO: Foto: Bobby Fabisak/JC Imagem
Leitura:

Um dos principais beneficiados pelo período de confraternização é o setor de bares e restaurantes. Diversos estabelecimentos já estão com a agenda lotada, seja no almoço, seja no jantar. Outros chegaram a fechar as portas para o público geral, uma vez que a lotação do restaurante foi preenchida só com festas de empresas. A estimativa da Associação Brasileira de Bares e Restaurantes em Pernambuco (Abrasel-PE) é de que, somente considerando os meses de novembro e dezembro, o movimento cresça até 12% por causa das confraternizações.

"Sempre há um aumento na procura no fim do ano por causa desse espírito de confraternização. Mas este ano sentimos um aquecimento do setor já no mês de outubro. Como houve liberação do FGTS, tem mais dinheiro na economia. Agora chegou o ciclo do 13º salário, que também ajuda muito nosso setor de bares e restaurantes", ressalta o presidente da Abrasel-PE, André Araújo.

No Restaurante Entre Amigos O Bode, no Espinheiro, Zona Norte do Recife, há alguns anos tem sido prática contratar um funcionário temporário exclusivo para gerenciar a agenda de confraternizações no espaço. Este ano foram admitidas duas pessoas, além de outras duas que organizam os eventos nas outras duas unidades da rede.

Segundo a responsável pelo marketing da empresa, Vivian Loureiro, a estimativa é de que a movimentação cresça até 20%, entre outubro e dezembro, em relação aos demais meses do ano. "Já temos datas indisponíveis. Mas cerca de 30% da casa ainda fica reservada para os clientes comuns e sem reserva", afirma.

Para atrair tamanho público, as casas também têm investido em oferecer pacotes promocionais, com preços fixos por pessoa e cardápios personalizados para cada evento. É possível fechar negócio por R$ 64,90 por um menu sem bebidas e para grupos a partir de 20 pessoas. "Também há cardápios mais caros, que dão acesso a menu diferenciado e todas as bebidas, tudo com três horas de duração. Esse sai por R$ 160 por pessoa", explica Vivian Loureiro.

Festa garantida até na ceia de Natal

Para Tania Konrad, uma das proprietárias do Restaurante Famiglia Giuliano, em Boa Viagem, Zona Sul do Recife, o segredo da casa cheia é, além da qualidade do serviço, saber negociar com os clientes. "Temos recebido muitos grupos de empresas e até mesmo famílias numerosas. Mas este ano estamos notando que as pessoas estão pechinchando mais, pedindo descontos, cortesias. É preciso saber ceder e atrair o público", afirma a empresária.

No restaurante dela, inclusive, a agenda está tão concorrida que haverá dias fechados para os demais clientes. A casa comporta 250 pessoas e ficará exclusiva para confraternizações. "Este ano eu me surpreendi. Pensei que seria pior do que o ano passado, mas deve haver um crescimento de 15% com relação às festas de 2018", comenta Tania.

Apostando que as pessoas têm preferido evitar fazer festas em casa, a empresária passou a oferecer uma grande ceia de Natal no dia 24 de dezembro. Segundo ela, há cinco anos o evento é realizado e tem sido um sucesso. O modelo da "confraternização" é simples: oferecer um farto cardápio, com diversas bebidas inclusas, música ao vivo e até Papai Noel para animar a noite das famílias que reservarem sua mesa no local. O valor, por pessoa, fica em R$ 280 e a festa acontece das 20h a 1h. "Tem sido uma opção para quem não abre mão de celebrar em família, mas sem precisar se preocupar em organizar a festa", relata Tania Konrad.

O jornalismo profissional precisa do seu suporte. Assine o JC e tenha acesso a conteúdos exclusivos, prestação de serviço, fiscalização efetiva do poder público e muito mais.

Apoie o JC

Últimas notícias