CHAPECOENSE

Zagueiro Neto continua em estado crítico de saúde na Colômbia

Ruschel, Follmann e Rafael mantêm evolução e respondem positivamente

Estadão Conteúdo
Estadão Conteúdo
Publicado em 05/12/2016 às 16:56
Foto: Reprodução/Chapecoense
Ruschel, Follmann e Rafael mantêm evolução e respondem positivamente - FOTO: Foto: Reprodução/Chapecoense
Leitura:

O novo boletim médico sobre os sobreviventes da queda do avião da Chapecoense em Medellín comprovou que os jogadores Alan Ruschel e Jackson Follmann e o jornalista Rafael Henzel seguem evoluindo positivamente no Hospital San Vicente, em Rionegro. O zagueiro Neto, no entanto, não tem respondido da mesma forma e continua em estado crítico.

 

Ao lado do diretor do hospital colombiano, Ferney Rodríguez, o médico intensivista Edson Stakonski e o ortopedista Marcos André Sonagli concederam nova entrevista coletiva nesta segunda-feira e explicaram o estado de cada um dos sobreviventes. E os três foram categóricos ao cravar o quadro de Neto como o mais preocupante.

"Neto tem quadro pulmonar grave, não houve melhora como era esperado", sintetizou Stakonski. "Está em situação muito crítica, sedado. Tem um processo infeccioso pulmonar e um trauma muito grande no tórax, além de respiração mecânica e algumas questões pendentes", completou Rodríguez.

As informações vão ao encontro do que já havia sido noticiado no último domingo. Na ocasião, o boletim informou que o zagueiro era o único que continua entubado. Neto, que foi o último a ser resgatado do acidente com vida, está com pneumonia e ainda depende de ventilação mecânica para respirar.

"Ele é um homem muito forte, sua condição foi importante para ele sobreviver naquele momento em que ficou esperando o resgate, mas o trauma é muito forte. O que mais preocupa é sua condição pulmonar, ele tem trauma dentro do pulmão", afirmou Rodríguez. "Induzimos um relaxamento muscular para facilitar a respiração mecânica, com cuidado intensivo. Vamos ver como evolui nas próximas 24 horas", completou Stakonski.

Demais sobreviventes

Sobre os outros três sobreviventes, as informações são bem mais animadoras. Alan Ruschel se recupera bem da fratura vertebral, enquanto Jackson Follmann teve uma perna amputada e Rafael Henzel teve diversos traumas, além de apresentar uma infecção pulmonar nos últimos dias. Os três respiram sem ajuda de aparelhos e já conseguem se comunicar com médicos e familiares.

"A evolução dos três está surpreendendo. Foi um politrauma de uma energia cinética absurda, 71 pessoas perderam a vida. Então, o grau destas lesões a gente não tem. Dá para dizer que é uma evolução fantástica", avaliou Stakonski. "Follmann tem evolução de forma adequada. Hoje vamos avaliar a amputação da perna direita, as feridas. Com o Rafael, não está mais entubado, está mais tranquilo, falando. Estamos cuidando do processo infeccioso Já o Alan está estável, consciente. Sua cirurgia de coluna tem uma resposta neural muito boa", completou Rodríguez.

Os médicos admitiram que ainda há riscos de infecção e pneumonia, e que é justamente esta possibilidade que mais preocupa. No entanto, a evolução destes três pacientes é tão boa que a intenção é conseguir sentá-los fora do leito nas próximas horas.

"O Alan está bem, sem sinal de infecção e está estável, não há grande alteração. Nas próximas 24 horas deve sentar fora do leito", comunicou Stakonski. "Rafael também deve sentar fora do leito hoje. Com o Follmann, deve demorar um pouco mais, pode ser amanhã, porque vamos fazer uma limpeza cirúrgica, das feridas. Se isso (sentar) acontece, o pulmão expande melhor, o paciente tem mais condições de fazer a fisioterapia. Então, é um avanço considerável", explicou Sonagli.


O jornalismo profissional precisa do seu suporte. Assine o JC e tenha acesso a conteúdos exclusivos, prestação de serviço, fiscalização efetiva do poder público e muito mais.

Apoie o JC

Últimas notícias