Campeonato Pernambucano

Náutico reclama pela falta do VAR na final do Estadual

Gol da vitória do Sport teve posição irregular do lateral Sander, que deu a assistência para Ezequiel marcar

klisman
klisman
Publicado em 14/04/2019 às 20:59
Foto: Bobby Fabisak/JC Imagem
Gol da vitória do Sport teve posição irregular do lateral Sander, que deu a assistência para Ezequiel marcar - FOTO: Foto: Bobby Fabisak/JC Imagem
Leitura:

A arbitragem do Clássico dos Clássicos deu o que falar. Não por uma quantidade grande de erros, mas por uma falha capital no lance do gol do Sport. Sander estava impedido e a assistente Daiane Muniz, encoberta no lance, não viu o lateral leonino adiantado. Jogada que, com a presença do árbitro de vídeo (VAR), seria anulado e não iria interferir diretamente no placar. E vale ressaltar que, dentre as finais dos grandes campeonatos estaduais do Brasil, apenas a do Pernambucano não teve a presença do VAR.

Wilton Pereira Sampaio fez uma arbitragem segura durante toda a partida. Manteve os critérios para a marcação de faltas e na aplicação dos cartões amarelos. Apenas em um lance deixou de dar o cartão, para Hereda, em falta no primeiro tempo. A dupla de assistentes, Daiane Muniz e Daniel Manis, teve também uma boa atuação. Acertando em impedimentos e outras infrações. Entretanto, o erro no gol acabou manchando a avaliação geral do trio.

ÁRBITRO DE VÍDEO

Em outras finais pelo país, o VAR foi utilizado e teve participação decisiva nos jogos. E exemplo das disputas no Carioca e Mineiro, em que Flamengo e Cruzeiro tiveram um gol anulado. Em Pernambuco, as diretorias de Náutico e Sport alegam terem feito o pedido pelo árbitro de vídeo, mas a Federação Pernambucana de Futebol não implementou nesta final por conta dos custos. Desta forma, ficou a reclamação por parte do Timbu.

“O que a gente lamenta é que (Pernambuco é) o único estado que não teve o recurso de vídeo, que claramente teria anulado o gol. A gente lamenta, porque fizemos um investimento em uma arbitragem Fifa, e entendemos que a Federação (Pernambucana de Futebol) também deveria ter feito este investimento. Nós solicitamos bastante (para as finais), e nos foi colocado que não se faria porque se entendia que não havia necessidade”, falou o vice-presidente de futebol do Náutico, Diógenes Braga.

O jornalismo profissional precisa do seu suporte. Assine o JC e tenha acesso a conteúdos exclusivos, prestação de serviço, fiscalização efetiva do poder público e muito mais.

Apoie o JC

Últimas notícias