tragédia da chapecoense

Mensagens mostram que LaMia sabia dos riscos com voo da Chape

Sequência de e-mails mostra que proprietária da LaMia e corretor de seguradora sabiam dos perigos e proibições do voo da Chapecoense. Não fizeram nada

JC Online
JC Online
Publicado em 10/09/2019 às 9:12
Notícia
AFP
Sequência de e-mails mostra que proprietária da LaMia e corretor de seguradora sabiam dos perigos e proibições do voo da Chapecoense. Não fizeram nada - FOTO: AFP
Leitura:

Uma sequência de e-mails disponibilizados ao Senado Federal apresenta evidências que a LaMia e a corretora de seguros AON tinham conhecimento sobre os riscos que o avião da companhia aérea apresentava antes da tragédia da Chapecoense, há quase três anos. As mensagens trocadas entre a proprietária da LaMia, Loredana Albacete, e o corretor britânico Simon Kaye garantem que eles, responsáveis pela operação, sabiam que o avião não estava em condição regular e, por isso, estava proibido de realizar voos.

PROIBIÇÕES

Os dois ignoraram uma série de proibições, entre elas o veto de que voos fretados não poderiam sobrevoar o espaço aéreo da Colômbia, justamente onde ocorreu o acidente. As mensagem mostram que houve favorecimento político, além de mensagens mostrando desprezo com a tripulação. Loredana argumentou que fechar o contrato seria interessante, pois previa uma série de viagens futuras para o transporte de times de futebol. "Eles trabalham com times de futebol e a temporada está começando", disse a responsável pela LaMia.

O avião que transportava jogadores, comissão técnica, diretores da Chapecoense e profissionais da imprensa que trabalhariam na partida final da Copa Sul-Americana de 2016. O jogo aconteceria em Medellín, na Colômbia, contra o Atlético Nacional

O jornalismo profissional precisa do seu suporte. Assine o JC e tenha acesso a conteúdos exclusivos, prestação de serviço, fiscalização efetiva do poder público e muito mais.

Apoie o JC

Últimas notícias