Estrutura

As mudanças estruturais no Náutico, Santa Cruz e Sport em dez 10 anos

Nos últimos dez anos, Trio de Ferro da capital passou por mudanças estruturais

Fernando Marinho
Fernando Marinho
Publicado em 15/12/2019 às 9:29
Notícia
Diogo Duarte/Divulgação
Nos últimos dez anos, Trio de Ferro da capital passou por mudanças estruturais - FOTO: Diogo Duarte/Divulgação
Leitura:

A década do Trio de Ferro da capital, em termos de reformas estruturais, foi bastante agitada. Os três clubes promoveram várias restaurações em suas casas e, no caso do Santa Cruz, houve até a aquisição e inauguração do seu Centro de Treinamento, localizado em Aldeia.

Apesar de o estádio do Arruda ainda carecer urgentemente de melhorias, o investimento para ter à disposição um local próprio para a realização dos treinos do time profissional e das categorias de base foi principal feito do clube nos últimos dez anos. “Foi muito importante para o Santa Cruz a aquisição do CT Ninho das Cobras, ampliando o patrimônio do clube. Isso dá uma condição estratégica para o departamento de futebol administrar e preservar o gramado do Arruda; só usando, dentro do possível, nos dias de jogos. Isso valoriza bastante o trabalho da nossa base, que passa a ter seus horários de treinos preservados e com bons campos para trabalhar”, destacou João Caixeiro, diretor financeiro da comissão patrimonial do Santa Cruz.

No Náutico, após a relação frustrada com a Arena de Pernambuco, os alvirrubros tiveram de se mobilizar para recuperar o estádio dos Aflitos, que ficou fechado por quatro anos. “Essa reforma foi um resgate da torcida alvirrubra. Entendemos que um clube centenário como o Náutico não podia ficar sem sua casa, que é os Aflitos. A volta ao nosso estádio seria um resgate do clube. Esse sentimento das arquibancadas transpassa para o campo. A energia do nosso torcedor contagia os jogadores. E, hoje, o Náutico tem novamente a sua identidade”, ressaltou Eduardo Carvalho, diretor de patrimônio do Náutico, que voltou a jogar em sua casa este ano – o amistoso de reinauguração foi em dezembro de 2018.

Do lado rubro-negro, assim como o Arruda, o estádio da Ilha do Retiro necessita de uma modernização. As reformas paliativas feitas nos últimos anos não surtiram efeito para dar conforto ao torcedor. Porém, o CT José de Andrade Médicis, talvez seja hoje o principal patrimônio do clube. Além da boa estrutura, nesse ano, foi inaugurado o hotel da categoria de base. “O novo hotel era um projeto antigo e que estava inacabado. Mas, com muito esforço, e participação dos abnegados e do Conselho Deliberativo, conseguimos entregar nesse ano o hotel da base com um padrão semelhante ao do profissional”, lembrou Carlos Frederico Melo, vice-presidente executivo do Sport.

Com o recesso do calendário futebolístico, as diretorias de Santa e Sport estão aproveitando para promover algumas obras estruturais no Arruda e na Ilha. Já a direção do Náutico segue com finalizando a reforma dos Aflitos e requalificando o CT Wilson Campos.

O jornalismo profissional precisa do seu suporte. Assine o JC e tenha acesso a conteúdos exclusivos, prestação de serviço, fiscalização efetiva do poder público e muito mais.

Apoie o JC

Últimas notícias