Breno Calixto

Breno Calixto revela mágoa com Márcio Goiano, mas mantém torcida pelo Náutico

Jogador enfrentou o Náutico nesta quarta-feira, defendendo o Treze

Fernando Marinho
Fernando Marinho
Publicado em 08/01/2020 às 23:31
Notícia
Léo Lemos/Náutico
Jogador enfrentou o Náutico nesta quarta-feira, defendendo o Treze - FOTO: Léo Lemos/Náutico
Leitura:

O amistoso contra o Treze, nesta quarta-feira, em Campina Grande, também marcou o reencontro do zagueiro Breno Calixto com o Náutico. Identificado com a torcida alvirrubra, o jogador disse que mantém a torcida pelo clube pernambucano, mas revelou uma mágoa com a antiga comissão técnica e com o treinador Márcio Goiano. De acordo com o jogador, durante a Série C de 2018, o antigo técnico do Timbu o deixou de fora até de alguns treinamentos, mesmo estando recuperado de lesão.

"Tenho um pouco de mágoa não do Náutico, mas da comissão técnica que estava, do técnico Márcio Goiano. Joguei machucado com Roberto Fernandes, pouca gente sabe, joguei com uma lesão de grau dois na panturrilha contra o Confiança, na Série C. Depois que me recuperei, Márcio Goiano me deixou de fora de alguns treinos, nem no banco ele estava me levando, tenho um pouco de mágoa, mas do clube não. É um clube maravilhoso, sou torcedor e vou torcer sempre", declarou Breno na saída de campo.

SAÍDA

Breno chegou ao Náutico para a disputa da Série B, em 2017. Mesmo com o rebaixamento do time para a Terceira Divisão, o zagueiro conseguiu se destacar com a camisa alvirrubra e permaneceu para a próxima temporada. Apesar de começar 2018 como titular, o jogador conviveu com lesões e ficou de fora em grande parte dos jogos da campanha do título do Campeonato Pernambucano. Ao final da Série C, o jogador esperava um contato da diretoria para mais uma renovação, o que não aconteceu.

"No último dia, quando a gente foi acertar as contas, o Ítalo (Rodrigues) me falou que tinha interesse em renovar, mas antes tinha que ter uma reunião com a comissão técnica. Não me ligaram, eu também entendo, eu tive muitas lesões no ano, acaba gerando desconfiança, mas isso é normal, a vida segue", comentou o zagueiro.

O jornalismo profissional precisa do seu suporte. Assine o JC e tenha acesso a conteúdos exclusivos, prestação de serviço, fiscalização efetiva do poder público e muito mais.

Apoie o JC

Últimas notícias