VIOLÊNCIA

Presidente do Náutico cobra ações para combater as Organizadas

Edno Melo se posicionou sobre o ataque da Torcida Jovem do Sport a torcedores do Santa Cruz

Marcos Leandro
Marcos Leandro
Publicado em 04/02/2020 às 17:34
Notícia
Leitura:

O ataque de Torcida Organizada do Sport a torcedores do Santa Cruz que comemoravam o aniversário de 106 anos do clube segue repercutindo. Isso porque até mesmo quem não estava envolvido diretamente no ocorrido resolveu se posicionar, como é o caso do presidente do Náutico, Edno Melo. Em entrevista ao Blog do Torcedor e Jornal do Commercio, o mandatário do Timbu combateu fortemente o fato que ocorreu na segunda-feira(3), no Pátio da Santa Cruz, no bairro da Boa Vista.

"É um absurdo, né. Não tiveram respeito por senhoras, pais, mães, filhos e mulheres grávidas. A gente observa que são marginais travestidos de torcida organizada, que para mim não tem nada de torcida. Eu mesmo já fui vítima e sei como é, fui peitado e desrespeitado na sede do clube, porque eu bato de frente com eles o tempo todo. O que eu puder fazer para eliminar e exterminar a torcida organizada do futebol pernambucano, eu vou fazer", diz o mandatário.

DISCORDÂNCIA DE OPINIÃO

Em entrevista na manhã desta terça-feira (4) a Rádio Jornal, o presidente da Federação Pernambucana de Futebol, Evandro Carvalho, lamentou que a polícia militar tenha atirado para cima com o intuito de dispersar os vândalos. Na opinião do mandatário, os policiais deveriam ter mirado em quem estava fazendo a confusão. Ao ser perguntado se esse era o caminho ideal para acabar com a violência causada pelas organizadas, Edno Melo definiu a fala de Evandro como 'sem cabimento'.

"Uma declaração sem nenhum cabimento. Como é que você vai propagar o ódio desse jeito? Isso aí é muito maior do que atirar em uma pessoa e outra. Eu acho que a Federação  tem que ficar preocupada com o problema macro. Enquanto a Federação, Governo do Estado, Polícia Militar e os clubes não olharem de uma maneira séria, isso vai se repetir. E isso afasta quem? O pai de família, o trabalhador que quer ir mas fica com medo de ser agredido ou vítima de bala perdida.

POSSÍVEIS SOLUÇÕES

"A gente presencia cenas como essa há anos. Quantas pessoas dessas facções estão presas? Nenhuma. Como é que a Polícia Militar faz uma escolta de Torcida Organizada e não consegue fazer um cadastro desse grupo? Por que na hora que eles fazem essa escolta eles não cadastram todo mundo? Por que não prendem o líder da organizada quando acontece um incidente desse e pune de forma exemplar? Então é uma coisa muito maior, que a gente tem que sentar, assumir as responsabilidades e resolver. E não ficar simplesmente dizer que deveria ter atirado ou matado. Isso não resolve nada", afirma Edno Melo.

No próximo dia 15, Náutico x Sport se enfrentam pela Copa do Nordeste. A partida está marcada para o estádio dos Aflitos, casa do Timbu. Questionado se protocolaria alguma medida pedindo torcida única, Edno Melo definiu a atitude como 'a falência do futebol' e disse que ainda dá tempo das autoridades resolverem o problema.

"Só é ter vontade e querer. Mas, em um caso extremo, a gente tem que decretar a falência do futebol ao pedir torcida única, como pedimos ano passado por falta de segurança. Isso é dizer: somos incompetentes e não temos condições de gerir uma partida de futebol. Sinceramente fico muito triste por esse episódio. Como torcedor de arquibancada que fui e vou voltar para ela, não tenho a tranquilidade de ir ao estádio com meu filho, encontrar amigos e confraternizar. Se as autoridades não tiverem consciência de que isso é um problema sério, vão existir mais mortes. Isso é um problema muito sério", destaca o mandatário.

O jornalismo profissional precisa do seu suporte. Assine o JC e tenha acesso a conteúdos exclusivos, prestação de serviço, fiscalização efetiva do poder público e muito mais.

Apoie o JC

Últimas notícias