PRESSÃO

Time do Sport já começa a ser cobrado na temporada 2018

Apesar do pouco tempo de trabalho, a equipe rubro-negra ainda não mostrou um futebol convincente

Filipe Farias
Filipe Farias
Publicado em 28/01/2018 às 9:17
Foto: Williams Aguiar/ Sport
Apesar do pouco tempo de trabalho, a equipe rubro-negra ainda não mostrou um futebol convincente - FOTO: Foto: Williams Aguiar/ Sport
Leitura:

Apesar de a temporada 2018 do Sport ter iniciado há apenas 26 dias, algumas coisas já começam a ser contestadas na Ilha do Retiro. Com as saídas de nomes importantes do time (Diego Souza, Patrick e Mena), a manutenção do contestado sistema defensivo e contratações modestas só para compor o grupo (Pedro Castro, Felipe, Léo Ortiz e Capa), o técnico Nelsinho Baptista ainda não conseguiu fazer com que o rendimento da equipe rubro-negra (5º, com 4 pontos no Estadual) agradasse aos torcedores. O que é pior, diante da pouca qualidade técnica do elenco, o desempenho aquém já começa a preocupar para um possível descenso no Brasileiro - o Leão escapou do rebaixamento nos dois últimos anos.

Mesmo com o cenário não sendo dos mais animadores, o treinador rubro-negro mantém sua opinião de que o Sport não precisa nesse momento de reforços e acredita que o time vai crescer tecnicamente com a entrada de nomes que estão em recuperação. “Contra o Náutico André ficou de fora. Leandro Pereira vai ficar à disposição da equipe para treinar nos próximos dias. Everton Felipe segue se recuperando... Também esperamos contar com Rithely. Então, o problema não é contratação. Precisamos manter o equilíbrio até que possamos contar com a presença de todo mundo no time”, explicou.

Enquanto isso não ocorre, Baptista tem sofrido para fazer o time render em campo. Sem um meia de criação no elenco - o único é Everton Felipe, que volta aos gramados em abril -, a alternativa com dois pontas abertos (Marlone e Gabriel) ainda não deu liga, já que a equipe carece de uma peça criativa para atuar por dentro.

Protagonista do atual elenco leonino, Marlone compreende a cobrança da torcida já nesse início de temporada. “A pressão é normal. O Sport tem história, títulos... Então, a cobrança sempre vai existir. Até porque faz parte da paixão do torcedor. Entendo a torcida, mas também é preciso ter consciência que estamos no início. Só fizemos três jogos. Claro que não queríamos perder o clássico daquele jeito, mas vamos evoluir e dar alegrias ao torcedor”, prometeu o camisa 10.

NÃO VINGOU

Dos seis atletas contratados pela diretoria do Sport em 2018, só dois chegaram com status de titular: Marlone e Gabriel. Porém, mesmo com a grande expectativa depositada na dupla, ambos precisam melhorar a performance. “No começo não tem como ficar solto 100%. Gosto da jogada individual. Vou evoluindo a cada partida e as jogadas vão fluir naturalmente”, disse Marlone.

Enquanto o time rubro-negro patina no Pernambucano, a diretoria silencia. Não acalma os torcedores e não apresenta soluções para assegurar um ano bem-sucedido para o Leão. E, com isso, os questionamentos vão ficando sem respostas.

 

O jornalismo profissional precisa do seu suporte. Assine o JC e tenha acesso a conteúdos exclusivos, prestação de serviço, fiscalização efetiva do poder público e muito mais.

Apoie o JC

Últimas notícias