Acidente

Bombeiros usam helicóptero e até drone para localizar vítimas em Minas

No começo da tarde desta sexta-feira, a Samarco afirmou em nota que 253 pessoas, de 70 famílias, foram alocadas pela empresa em hotéis e pousadas da região

Da Folhapress
Da Folhapress
Publicado em 06/11/2015 às 18:54
Foto: Corpo de Bombeiros/ MG
No começo da tarde desta sexta-feira, a Samarco afirmou em nota que 253 pessoas, de 70 famílias, foram alocadas pela empresa em hotéis e pousadas da região - FOTO: Foto: Corpo de Bombeiros/ MG
Leitura:

Sem poder acessar o vilarejo de Bento Rodrigues, em Minas Gerais, parcialmente destruído após o rompimento duas barragens, as equipes de resgate usam um drone e três helicópteros na tentativa de localizar sobreviventes em meio ao mar de lama.

Bombeiros dizem que a prioridade é, com a ajuda de cães farejadores, tentar achar os que se refugiaram na mata logo após o estouro da barragem. Só quando a lama baixar e o terreno estiver firme, é que irão entrar no vilarejo à procura de corpos.

Mas, por volta das 14h20, começou a chover forte na região, deixando todos ainda mais desesperançosos.

Do alto da montanha, bombeiros, agentes de saúde e parentes observam a lama, sem ter o que fazer. Segundo dados oficiais, uma pessoa morreu e há, segundo o sindicato local, 25 desaparecidos.

O acidente ocorreu na quinta-feira (5), por volta das 15h30, em Bento Rodrigues, a 15 km do centro de Mariana. A vila, que tem 121 casas e 492 moradores, segundo o IBGE, foi totalmente inundada pela lama.

A barragem é da mineradora Samarco, que pertence à Vale e à australiana BHP. A mineradora afirmou que o conjunto de barragens no município de Mariana foi alvo de fiscalização em julho deste ano e encontravam-se em "totais condições de segurança". Muitos moradores também passaram a noite no local, à espera de notícias.

No começo da tarde desta sexta-feira (6), a Samarco afirmou em nota que 253 pessoas, de 70 famílias, foram alocadas pela empresa em hotéis e pousadas da região. Ao todo, ainda de acordo com a nota, 600 kits de emergência, com colchões, lençóis e toalhas, 3.800 lanches e refeições e 10 mil garrafas de água já foram distribuídos.

Nesta manhã, centenas de pessoas foram levadas em vans e ambulâncias à Arena Mariana, ginásio esportivo usado pela prefeitura para receber os desabrigados. Eles ganharam roupas, comidas e assistência médica. Do lado de fora, moradores aflitos tentavam receber informações de familiares.

A cabeleireira Denise Isabel Monteiro, 32, diz que seu sobrinho de cinco anos está desaparecido. Nesta manhã, ela tentava encontrar no ginásio a cunhada que está grávida. "Sei que ela está viva, mas não sei se ela já foi trazida e se está lá dentro [do ginásio]. Foi um desespero total, porque a gente pensou que todo mundo tinha morrido. A gente sabe como é perigoso ali [em Bento Rodrigues]", diz.

REUNIÃO NO ALVORADA

A presidente Dilma Rousseff convocou para o fim da tarde desta sexta-feira uma reunião com ministros no Palácio da Alvorada para discutir, entre outros temas, o posicionamento do governo diante da tragédia em Mariana.

Dilma pediu a ministros que iriam viajar durante o fim de semana que permanecessem em Brasília para participar do encontro. A ideia inicial do Palácio do Planalto era que a presidente sobrevoasse a região nesta sexta ou sábado (7), mas Dilma ainda estuda se vai ou não fazer a viagem.

O ministro Gilberto Occhi (Integração Nacional) foi até Minas Gerais e voltou a Brasília no início da tarde desta sexta para fazer um relato da situação para a equipe de Dilma.Por enquanto, Dilma deve divulgar uma nota e fazer algumas postagens em seu Twitter sobre a situação em Mariana.a

O jornalismo profissional precisa do seu suporte. Assine o JC e tenha acesso a conteúdos exclusivos, prestação de serviço, fiscalização efetiva do poder público e muito mais.

Apoie o JC

Últimas notícias