Europa

Ucrânia: Rússia diz que queria um cessar-fogo imediato

Putin disse que as negociações tinham se prolongado porque Kiev se recusou a falar com os rebeldes diretamente

Da ABr
Da ABr
Publicado em 13/02/2015 às 8:57
Foto: SERGEI SUPINSKY / AFP
Putin disse que as negociações tinham se prolongado porque Kiev se recusou a falar com os rebeldes diretamente - FOTO: Foto: SERGEI SUPINSKY / AFP
Leitura:

Dmitry Peskov, o porta-voz do presidente russo, Vladimir Putin, disse nesta sexta-feira (13) que a Rússia queria um cessar-fogo imediato com a Ucrânia, e que o prazo de domingo (15) de manhã foi acertado na Cúpula de Minsk (Bielorússia) por pressão dos líderes rebeldes. A Rússia "apoiou um cessar-fogo imediato", disse Dmitry Peskov.

Na cúpula, além de Putin, participaram também os líderes da Ucrânia (Petro Porochenko), da Alemanha (Angela Merkel), e da França (François Hollande).

Segundo Peskov, a data de 15 de fevereiro foi escolhida "de acordo com a vontade dos separatistas" devido à dificuldade de "conseguir efetivamente um cessar-fogo simultâneo".

Os rebeldes "expressaram ativamente as suas exigências que tivemos de ouvir", disse Peskov.

O porta-voz disse que Putin "se esforçou bastante para persuadir os rebeldes a assinar o documento".

Nessa quinta-feira (12), Putin disse que as negociações tinham se prolongado porque Kiev se recusou a falar com os rebeldes diretamente.

O jornalismo profissional precisa do seu suporte. Assine o JC e tenha acesso a conteúdos exclusivos, prestação de serviço, fiscalização efetiva do poder público e muito mais.

Apoie o JC

Últimas notícias