Conflito

Iêmen: hutis rejeitam pedido da ONU para ceder o poder

Os milicianos xiitas entraram em setembro de 2014 em Sanaa, antes de tomaram o palácio presidencial no final de janeiro

Da AFP
Da AFP
Publicado em 16/02/2015 às 19:09
Foto: MOHAMMED HUWAIS / AFP
Os milicianos xiitas entraram em setembro de 2014 em Sanaa, antes de tomaram o palácio presidencial no final de janeiro - FOTO: Foto: MOHAMMED HUWAIS / AFP
Leitura:

Os milicianos xiitas hutis rejeitaram nesta segunda-feira um pedido da ONU exigindo que eles se retirem das instalações governamentais tomadas por eles na capital iemenita e liberem o presidente e o primeiro-ministro. 

O Conselho de Segurança da ONU deve "respeitar a vontade e a soberania do povo iemenita e se mostrar pertinente e objetivo", declararam os hutis em comunicado, rejeitando a resolução adotada neste domingo. O documento também pedia o uso de "boa vontade" nas negociações para uma saída da crise. 

O comunicado continua pedindo ao Conselho de Segurança que "não siga as potências regionais que tentam eliminar a vontade do povo iemenita, em violação flagrante das convenções internacionais ao influenciar nos assuntos internos" de um país. 

O "Comitê revolucionário" da milícia xiita faz, neste aspecto, referência ao Conselho de Cooperação do Golfo (CCG) que foi à ONU pedir medidas coercitivas contra os hutis, estimando que seus interesses regionais estão ameaçados pela instabilidade provocada pelos milicianos xiitas no Iêmen. 

Nós "não vamos mirar nos nossos irmãos do CCG, nem agora, nem no futuro", garantiram os hutis no comunicado. 

Os milicianos xiitas entraram em setembro de 2014 em Sanaa, antes de tomaram o palácio presidencial no final de janeiro, forçando a demissão de chefes de Estado e do governo, seguida da instauração de novas instâncias dirigentes.

O jornalismo profissional precisa do seu suporte. Assine o JC e tenha acesso a conteúdos exclusivos, prestação de serviço, fiscalização efetiva do poder público e muito mais.

Apoie o JC

Últimas notícias