Energia

AIEA insiste na possibilidade de verter ao mar água descontaminada de Fukushima

Água, procedente das operações para regar inicialmente os reatores e resfriá-los e das contínuas passagens subterrâneos, é bombeada e conservada em mil depósitos gigantescos

Do JC Online
Do JC Online
Publicado em 18/02/2015 às 7:25
Foto: AFP
Água, procedente das operações para regar inicialmente os reatores e resfriá-los e das contínuas passagens subterrâneos, é bombeada e conservada em mil depósitos gigantescos - FOTO: Foto: AFP
Leitura:

Uma missão da Agência Internacional de Energia Atômica (AIEA) reiterou nesta terça-feira a possibilidade de verter ao mar a água descontaminada da central nuclear acidentada de Fukushima, após uma visita ao local.

"Registramos avanços significativos desde nossa visita anterior, em 2013", afirmou o diretor da equipe da AIEA, o espanhol Juan Carlos Lentijo.

"A situação melhorou em Fukushima", destacou, antes de explicar que a limpeza permitia reduzir o nível das radiações em vários pontos da central administrada pela Tokyo Electric Power (Tepco), afetada de maneira devastadora pelo terremoto e tsunami de 11 de março de 2011.

A AIEA elogiou especialmente a retirada sem incidentes do combustível da piscina do reator 4, cuja estrutura estava fragilizada e representava um importante perigo potencial.

A missão recordou que a situação continua sendo "muito complexa" e se mostrou inquieta com o volume crescente de água mais ou menos contaminada armazenada em cisternas de confiabilidade incerta.

A água, procedente das operações para regar inicialmente os reatores e resfriá-los e das contínuas passagens subterrâneos, é bombeada e conservada em mil depósitos gigantescos. A Tepco constrói dezenas ao mês para absorver o fluxo.

A AIEA aconselha pensar em verter ao mar a água sem o essencial de seus elementos radioativos, um tratamento possível com os sistemas instalados e usados na central.

O despejo controlado de água (apesar de estar carregada de trítio, impossível de extrair no momento) "é algo que fazem todos os dias no mundo a maioria das centrais nucleares" e o impacto ambiental é mínimo, insistiu Lentijo.

A maioria dos especialistas concordam que o líquido acabará por ser despejado no oceano, mas os pescadores locais e os grupos de defesa do meio ambiente são contrários à iniciativa.

No relatório preliminar, a AIEA também afirma que estimula a Tepco a reforçar a segurança no local, que recebe diariamente 7.000 trabalhadores.

O desmantelamento dos quatro reatores mais afetados, dos seis da central nuclear de Fukushima Daiichi, levará três ou quatro décadas e a manutenção durante o período representa um desafio.

O jornalismo profissional precisa do seu suporte. Assine o JC e tenha acesso a conteúdos exclusivos, prestação de serviço, fiscalização efetiva do poder público e muito mais.

Apoie o JC

Últimas notícias