Política

China prendeu quase mil defensores dos direitos humanos em 2014

Este número de prisões é o maior desde meados da década de 1990, após o massacre de Tiananmén

Da AFP
Da AFP
Publicado em 16/03/2015 às 9:11
Foto: Reprodução/Internet
Este número de prisões é o maior desde meados da década de 1990, após o massacre de Tiananmén - FOTO: Foto: Reprodução/Internet
Leitura:

As autoridades chinesas prenderam cerca de 1.000 defensores dos direitos humanos em 2014, anunciou nesta segunda-feira uma ONG, que acusou o presidente chinês de estabelecer o "pior registro de violações de direitos humanos desde meados da década de 1990".

Em seu relatório anual, o grupo Chinese Human Rights Defenders (CHRD, Defensores dos Direitos Humanos na China) declarou que este número é similar ao de detidos no total nos dois anos anteriores.

"Desde a chegada de Xi (Jinping) ao poder, as autoridades lançaram um ataque implacável e impiedoso contra as liberdades fundamentais para reforçar o domínio absoluto sobre o espaço em rápida diminuição da sociedade civil, com os defensores dos direitos humanos como alvo", escreveu o grupo.

Segundo o CHRD, este número de prisões é o maior desde meados da década de 1990, após o massacre de Tiananmén.

Em 2014, o grupo registrou um total de 995 casos de ativistas e defensores de direitos humanos detidos. As prisões no conjunto dos dois anos anteriores chegam a 1.160.

O relatório chega pouco depois de cinco defensores dos direitos das mulheres serem detidos em Pequim por organizar protestos contra o abuso sexual durante o Dia Internacional da Mulher. A Anistia Internacional classificou as detenções de arrepiantes e a União Europeia exigiu sua libertação.

Mais de 200 ativistas, advogados e jornalistas, entre outros, foram detidos em julho por ocasião do 25º aniversário do massacre de Tiananmén e no outono durante a onda de protestos pró-democracia em Hong Kong.

Depois de assumir a presidência em 2012, Xi Jinping lançou uma campanha contra críticos ao governo com centenas de detidos. No entanto, a China sustenta que protege os direitos legais de seus cidadãos, entre eles a liberdade de reunião, expressão, religião e imprensa.

O jornalismo profissional precisa do seu suporte. Assine o JC e tenha acesso a conteúdos exclusivos, prestação de serviço, fiscalização efetiva do poder público e muito mais.

Apoie o JC

Últimas notícias