Guerra

Cruz Vermelha e Unicef enviam aviões de ajuda humanitária ao Iêmen

Mais de 30 toneladas de medicamentos, equipamentos cirúrgicos e outros suprimentos chegaram ao país

Da Folhapress
Da Folhapress
Publicado em 10/04/2015 às 16:07
Foto: SALEH AL-OBEIDI / AFP
Mais de 30 toneladas de medicamentos, equipamentos cirúrgicos e outros suprimentos chegaram ao país - FOTO: Foto: SALEH AL-OBEIDI / AFP
Leitura:

Chegaram nesta sexta-feira (10) a Sanaa, capital do Iêmen, os dois primeiros aviões de ajuda humanitária ao país, depois de semanas de confrontos entre forças leais ao presidente sunita Abdo Rabbo Mansur Hadi e combatentes xiitas houthis.

As aeronaves são Comitê Internacional da Cruz Vermelha e a Unicef (Fundo das Nações Unidas para a Infância) e chegaram ao país com mais de 30 toneladas de medicamentos, equipamentos cirúrgicos e outros suprimentos.

O representante da Unicef no Iêmen, Julian Harneis, afirmou que "a situação humanitária piora com a passagem do tempo, enquanto cada vez é mais limitado o acesso à água potável e aos serviços básicos de saneamento e saúde".

"O material que conseguimos trazer hoje pode marcar a diferença entre a vida e a morte para as crianças e suas famílias", disse Harnes em Amã (Jordânia), citado pelo comunicado do Unicef.

As duas entidades tentavam fazer a viagem desde o final de março, quando a Arábia Saudita começou a bombardear regiões dominadas pelos houthis. Os sauditas criaram uma zona de exclusão aérea que só é liberada durante quatro horas do dia.

Nesta semana, a Cruz Vermelha pediu ajuda para melhorar a situação humanitária crítica do país, que deixou pelo menos 600 mortos e provocou o deslocamento de 100 mil pessoas.

Horas depois do apelo, conseguiu liberação dos sauditas para a chegada de um navio com ajuda humanitária, que atracou no sul do Iêmen. A monarquia do golfo Pérsico também fez um bloqueio marítimo no país vizinho.

GUERRA

A Arábia Saudita forma uma coalizão contra os milicianos houthis, ao lado de Emirados Árabes Unidos, Kuwait, Catar, Bahrein, Egito, Jordânia, Marrocos e Sudão, para tentar reconduzir Abdo Rabbo Mansur Hadi ao poder.

Nesta sexta, os bombardeios concentraram-se no sul do Iêmen, principalmente em posições dos sunitas e de forças leais ao ex-ditador Ali Abdullah Saleh, antecessor de Hadi, na cidade de Áden.

Além dos bombardeios, os moradores sofrem com a falta de energia elétrica, água e coleta de lixo em vários bairros, além dos hospitais, que não conseguem suprir a demanda de pacientes.

Diante da situação humanitária, a ONU pediu nesta sexta uma trégua nos combates de pelo menos algumas horas para poder enviar ajuda aos civis.

Por outro lado, o Alto Comissariado da ONU para Refugiados (Acnur) informou que está pronto para receber 30 mil refugiados no Djibuti e outros 100 mil na Somália.

Mais cedo, o Parlamento do Paquistão aprovou uma resolução que deixa o país em posição de neutralidade no conflito iemenita, mudando a posição inicial de colaboração com a Arábia Saudita.

O jornalismo profissional precisa do seu suporte. Assine o JC e tenha acesso a conteúdos exclusivos, prestação de serviço, fiscalização efetiva do poder público e muito mais.

Apoie o JC

Últimas notícias