REALIDADE

Desenho sobre crianças sírias comove a internet e alerta contra guerra civil

Khalid Albaih é cartunista e encontrou no desenho uma forma de humanizar a população do país

JC Online
JC Online
Publicado em 19/08/2016 às 15:00
Foto: REPRODUÇÃO/KHALID ALBAIH
Khalid Albaih é cartunista e encontrou no desenho uma forma de humanizar a população do país - FOTO: Foto: REPRODUÇÃO/KHALID ALBAIH
Leitura:

Para o desenhista sudanês Khalid Albaih ficar ou sair da Síria não são opções tão distintas quanto o que se parece. O pensamento, transformado em arte através de um desenho que retrata o menino curdo Aylan, 3, que há um ano apareceu morto em uma praia na Turquia, e o chocante resgate de Omran, 5, após bombardeio na cidade de Aleppo, comove a internet e tenta humanizar a população que vive nesse país.

Humanização

O trabalho de Albaih, que vive desde os 10 anos de idade no Catar, depois que o pai se tornou refugiado político, se destacou durante os protestos da Primavera Árabe em 2011. Segundo ele, a divulgação da imagem é importante para humanizar os meninos e as pessoas na Síria de novo. A ideia visa à tranformação dos número de mortos na concepção de que pessoas perdem as vidas a cada novo dia.

 

AUTKhalid Albaih

 

 

"Queria fazer essa conexão de que neste ano, enquanto você estava vivendo sua vida, essas crianças estavam morrendo. E não são só essas duas crianças. Há milhares de crianças e famílias que morreram ou estão vivendo um inferno hoje. Não só na Síria, mas em todas as zonas de guerra, como Iêmen, Sudão ou Líbia", disse em entrevista à BBC.

"As pessoas me dizem: 'Como é triste esta imagem'. Se a imagem é triste, imagine a realidade. Muitas pessoas também perguntam o que podem fazer, como ajudar. Eu não sei. O que você pode fazer? É uma questão para cada um. Eu fiz a minha parte. O cara que filmou o vídeo de Omran fez o que podia, fez o filme. Acho que as pessoas devem entender o que podem fazer e fazê-lo", concluiu o cartunista.

 

O jornalismo profissional precisa do seu suporte. Assine o JC e tenha acesso a conteúdos exclusivos, prestação de serviço, fiscalização efetiva do poder público e muito mais.

Apoie o JC

Últimas notícias