Recusa

Justiça russa multa Telegram por se negar a cooperar com serviços de segurança

Telegram, um sistema muito popular na Rússia por seu nível elevado de criptografia, terá que pagar 18 mil euros

AFP
AFP
Publicado em 16/10/2017 às 9:48
Foto: AFP
Telegram, um sistema muito popular na Rússia por seu nível elevado de criptografia, terá que pagar 18 mil euros - FOTO: Foto: AFP
Leitura:

A justiça russa multou, nesta segunda-feira, o serviço de mensagens Telegram  por se recusar a fornecer aos serviços de segurança russos (FSB) as chaves de criptografia para acessar mensagens de alguns de seus usuários.

Telegram, um sistema muito popular na Rússia por seu nível elevado de criptografia, terá que pagar 800 mil rublos (18 mil euros) porque a empresa não cumpriu o dever de "fornecer informações à polícia", indicou a agência de notícias TASS.

A justiça russa multou, nesta segunda-feira, o serviço de mensagens Telegram  por se recusar a fornecer aos serviços de segurança russos (FSB) as chaves de criptografia para acessar mensagens de alguns de seus usuários.

Telegram, um sistema muito popular na Rússia por seu nível elevado de criptografia, terá que pagar 800 mil rublos (18 mil euros) porque a empresa não cumpriu o dever de "fornecer informações à polícia", indicou a agência de notícias TASS.

A empresa, que tem dez milhões de usuários na Rússia, tem dez dias para apelar da decisão.

O fundador do serviço, Pavel Durov, desafiou em várias ocasiões as autoridades russas e, em setembro, anunciou que havia rejeitado um pedido do FSB.

Documentos

De acordo com documentos publicados pela Durov na rede social VK, do qual também é fundador, o FSB pediu aos escritórios da Telegram em Londres "a informação necessária para decodificar mensagens eletrônicas enviadas, recebidas, entregues e tratadas" pelos usuários.

"Atualmente não planejamos o bloqueio" do Telegram na Rússia, disse o porta-voz do Kremlin, Dmitri Peskov.

Telegram é alvo de vários países por se recusar a comunicar os dados de seus usuários, dentre os quais grupos jihadistas.

O fundador do serviço, Pavel Durov, desafiou em várias ocasiões as autoridades russas e, em setembro, anunciou que havia rejeitado um pedido do FSB.

De acordo com documentos publicados pela Durov na rede social VK, do qual também é fundador, o FSB pediu aos escritórios da Telegram em Londres "a informação necessária para decodificar mensagens eletrônicas enviadas, recebidas, entregues e tratadas" pelos usuários.

"Atualmente não planejamos o bloqueio" do Telegram na Rússia, disse o porta-voz do Kremlin, Dmitri Peskov.

O jornalismo profissional precisa do seu suporte. Assine o JC e tenha acesso a conteúdos exclusivos, prestação de serviço, fiscalização efetiva do poder público e muito mais.

Apoie o JC

Últimas notícias