SANTIAGO

Presidente do Chile, Sebastián Piñera, é processado por crimes contra a humanidade

Um tribunal acolheu ação movida contra Piñera por sua responsabilidade em supostos crimes contra a humanidade que ocorreram durante a crise social que o Chile vive

AFP
AFP
Publicado em 06/11/2019 às 21:12
Notícia
Foto: MARTIN BERNETTI / AFP
Um tribunal acolheu ação movida contra Piñera por sua responsabilidade em supostos crimes contra a humanidade que ocorreram durante a crise social que o Chile vive - FOTO: Foto: MARTIN BERNETTI / AFP
Leitura:

Um tribunal chileno acolheu uma ação movida contra o presidente Sebastián Piñera por sua responsabilidade em supostos crimes contra a humanidade que ocorreram durante a crise social que o Chile vive há quase três semanas e matou 20, segundo o Judiciário.

A ação foi movida contra o presidente pela "responsabilidade que lhe cabe, como autor, como chefe de Estado e de todos os que resultem responsáveis como autores, encobridores e/ou cúmplices de crime contra a humanidade", destacou o documento apresentado em um tribunal em Santiago por advogados representando organizações de direitos humanos.

"Se admite a tramitação da ação interposta; remete-se ao Ministério Público", para que se inicie uma investigação, indicou a resolução do juiz Patricio Álvarez, que iniciará agora a tramitação da ação judicial.

Crise social no Chile

A ação afirma que a Polícia e os militares cometeram pelo menos nove delitos – entre eles homicídios, torturas, restrições ilegítimas e abuso sexual - desde 18 de outubro, quando o surto social começou e o presidente Piñera estabeleceu o estado de emergência, no qual entregou o controle da segurança de Santiago e outras cidades ao exército.

Os protestos deixaram 20 mortos, cinco deles por ação direta de agentes do Estado. O Instituto Nacional de Direitos Humanos contabilizaram até esta quarta-feira (6) 1.778 feridos e cerca de 5.000 detidos.

O jornalismo profissional precisa do seu suporte. Assine o JC e tenha acesso a conteúdos exclusivos, prestação de serviço, fiscalização efetiva do poder público e muito mais.

Apoie o JC

Últimas notícias