ORIENTE MÉDIO

As principais reações no Irã após a morte de Soleimani, ordenada por Trump

A televisão estatal iraniana chamou a ordem de Trump de matar Soleimani de 'o maior erro de cálculo dos EUA' desde a Segunda Guerra

Katarina Moraes
Katarina Moraes
Publicado em 03/01/2020 às 8:36
Notícia
Foto: TAUSEEF MUSTAFA / AFP
Foto: TAUSEEF MUSTAFA / AFP
Leitura:

A morte do poderoso general iraniano Qassem Soleimani, emissário da República Islâmica no Iraque, que faleceu em um ataque americano na manhã desta sexta-feira em Bagdá, provocou fortes reações em seu país, que pede vingança. Veja as principais declarações:

» Conheça Soleimani, o general do Irã morto em bombardeio

O guia supremo

O líder supremo do Irã, o aiatolá Ali Khamenei, ameaçou "vingar" a morte de Soleimani e decretou três dias de luto nacional.

"O martírio é a recompensa por seu trabalho incansável durante todos esses anos (...) se Deus quiser, seu trabalho e seu caminho não irão parar por aí, e uma vingança implacável aguarda os criminosos que encheram suas mãos com seu sangue e o de outros mártires", disse o aiatolá Khamenei em sua conta no Twitter.

Soleimani, de 62 anos, era o chefe da força Al Qods da Guarda Revolucionária, a entidade responsável pelas operações externas da República Islâmica.

Foto: ATTA KENARE / AFP
Iranianos choram durante protesto contra a morte de Qasem Soleimani - Foto: ATTA KENARE / AFP
Foto: Aamir QURESHI / AFP
No Paquistão, protestantes queimam a bandeira dos Estados Unidos - Foto: Aamir QURESHI / AFP
Foto: TAUSEEF MUSTAFA / AFP
Na Índia, protestante segura imagem do presidente iraniano Hassan Rouhani em ato contra os EUA - Foto: TAUSEEF MUSTAFA / AFP
Foto: ATTA KENARE / AFP
Mulheres iranianas participam de protesto contra 'crimes americanos' no Teerã - Foto: ATTA KENARE / AFP
Foto: TAUSEEF MUSTAFA / AFP
- Foto: TAUSEEF MUSTAFA / AFP
Foto: AHMAD AL-RUBAYE / AFP
Bandeira dos Estados Unidos posta no chão para os carros passarem em Bagdá, capital do Iraque - Foto: AHMAD AL-RUBAYE / AFP
Foto: TAUSEEF MUSTAFA / AFP
No cartaz, o poderoso general Qasem Soleimani, morto em bombardeio dos Estados Unidos nessa quinta - Foto: TAUSEEF MUSTAFA / AFP
Foto: TAUSEEF MUSTAFA / AFP
Protesto na Índia, Ásia - Foto: TAUSEEF MUSTAFA / AFP
Foto: TAUSEEF MUSTAFA / AFP
Protestantes seguram cartazes contra EUA e Israel após ataque que provocou morte do general iraniano - Foto: TAUSEEF MUSTAFA / AFP

Presidente Rohani

"Não há dúvida de que a grande nação do Irã e as outras nações livres da região se vingarão dos Estados Unidos criminosos", prometeu o presidente Hassan Rohani em comunicado.

O "martírio" do general Soleimani "encheu de luto o coração da nação iraniana e de todas as nações da região", acrescentou. 

Sua morte "redobrou a determinação da nação iraniana e de outras nações livres da região de enfrentar a intimidação da América e defender os valores islâmicos", ressaltou o presidente iraniano.

"Esse ato vil e covarde é outro sinal do desespero e fraqueza dos Estados Unidos na região", assegurou.

Relações Exteriores

O ministro das Relações Exteriores, Mohammad Javad Zarif, também condenou a morte de Soleimani. 

"O ato de terrorismo internacional dos Estados Unidos, visando e assassinando o general Soleimani, é uma escalada extremamente perigosa e imprudente", escreveu ele no Twitter.

"Os Estados Unidos sofrerão todas as consequências de seu aventureirismo desonesto", acrescentou.

"A malevolência e a estupidez das forças terroristas americanas ao assassinar o general Soleimani, esse herói mártir e líder na luta contra o terrorismo e o extremismo, certamente fortalecerão a resistência na região e no mundo", afirmou o ministério das Relações Exteriores.

O ministério garantiu que "usaria todos os meios legais e sua capacidade internacional para fazer cumprir as decisões do Supremo Conselho de Segurança Nacional de responsabilizar o regime terrorista e assassino dos EUA por essa atrocidade".

O Irã convocou um funcionário da embaixada suíça, que representa os interesses americanos em Teerã, na ausência de laços diplomáticos entre os Estados Unidos e o Irã.

Guarda Revolucionária

A Guarda Revolucionária, o exército ideológico da República Islâmica, também pediu vingança.

Um porta-voz disse que os Guardiões e a "Resistência" vão "iniciar um novo capítulo a partir de hoje".

"A breve alegria dos americanos e dos sionistas se transformará em luto", disse o porta-voz Ramezan Sharif na televisão estatal. 

Esse ato "fortaleceu nossa determinação de nos vingar da América assassina e dos opressores sionistas e isso certamente acontecerá", acrescentou, antes de cair em prantos. 

"Soleimani se juntou aos nossos irmãos martirizados, mas nossa vingança contra a América será terrível", reagiu Mohsen Rezai, ex-chefe da Guarda Revolucionária, no Twitter.

Newsletters

Ver todas

Fique por dentro de tudo que acontece. Assine grátis as nossas Newsletters.

Últimas notícias