CRÍTICA

Marco Feliciano diz que grupos LGBT usam ataque em Orlando para se promover

O americano e filho de afegãos Omar Mateen, 29 anos, matou 50 pessoas em uma boate gay de Orlando, no domingo (12)

Estadão Conteúdo
Estadão Conteúdo
Publicado em 13/06/2016 às 10:14
Foto: AFP
FOTO: Foto: AFP
Leitura:

Após o atentado a uma boate LGBT em Orlando, EUA, que deixou 50 mortos e 53 feridos na madrugada de domingo (12), o deputado federal Marco Feliciano (PSC/SP) fez uma série de declarações polêmicas em seu perfil do Twitter. Na rede social, ele disse achar "triste a tentativa de grupos LGBT de usar esta tragédia para se promover, como se a razão deste ataque fosse apenas homofobia". 

Ainda no Twitter, o deputado acusou os grupos de calarem-se em relação a outros atentados e criticou a esquerda por apoiar a Palestina. "Estes terroristas com quem a esquerda quer dialogar assassinam inocentes, tripudiam sobre seus cadáveres numa luta política insana", concluiu.

Feliciano, que também é pastor de uma igreja neopentecostal ligada à Assembleia de Deus, é conhecido por se envolver em polêmicas com grupos LGBT. Um dos principais exemplos talvez seja o projeto da "cura gay", de 2013, em que propôs um tratamento com o objetivo de curar a homossexualidade. 

Na madrugada de domingo (12), o americano e filho de afegãos Omar Mateen, 29 anos, abriu fogo em uma casa noturna gay de Orlando. A polícia investiga o caso como terrorismo e o FBI busca elo do autor do atentado com grupos islâmicos.

Foto: AFP
#PrayForOrlando - Pessoas fazem vigília em frente a hospital de Orlando onde estão vítimas do ataque - Foto: AFP
Foto: AFP
Tiroteio em boate gay deixa 50 mortos e 53 feridos em Orlando, Estados Unidos - Foto: AFP
Foto: AFP
FBI abriu uma investigação por 'ato de terrorismo' - Foto: AFP
Foto: AFP
Boate Pulse, local do massacre de Orlando, é uma das casas noturnas mais emblemáticas da causa LGBT - Foto: AFP
Foto: AFP
Suspeito foi identificado como Omar Seddique Mateen, cidadão americano de origem afegã - Foto: AFP
Foto: AFP
Presidente dos EUA, Obama classificou o ataque como um ato 'de terror e ódio' - Foto: AFP
Foto: Geoffroy Van Der Hasselt/AFP
Simpatizantes e membros da comunidade gay pedem paz e fazem vigília no centro de Paris - Foto: Geoffroy Van Der Hasselt/AFP
Foto: Geoffroy Van Der Hasselt/AFP
Simpatizantes e membros da comunidade gay pedem paz e fazem vigília no centro de Paris - Foto: Geoffroy Van Der Hasselt/AFP
Foto: Geoffroy Van Der Hasselt/AFP
Simpatizantes e membros da comunidade gay pedem paz e fazem vigília no centro de Paris - Foto: Geoffroy Van Der Hasselt/AFP
Foto: Andreas Solaro/AFP
Simpatizantes LGBT na Itália fazem vigília próximo ao Coliseu de Roma pelas vítimas do massacre - Foto: Andreas Solaro/AFP
Foto: Andreas Solaro/AFP
Simpatizantes LGBT na Itália fazem vigília próximo ao Coliseu de Roma pelas vítimas do massacre - Foto: Andreas Solaro/AFP
Foto: Andreas Solaro/AFP
Simpatizantes LGBT na Itália fazem vigília próximo ao Coliseu de Roma pelas vítimas do massacre - Foto: Andreas Solaro/AFP
Foto: Andreas Solaro/AFP
Simpatizantes LGBT na Itália fazem vigília próximo ao Coliseu de Roma pelas vítimas do massacre - Foto: Andreas Solaro/AFP

Últimas notícias