LAVA JATO

STF terá que esclarecer regras de delação premiada, diz Gilmar Mendes

Mendes chegou a citar misteriosas forças "internas", "externas" e até mesmo "ocultas" que contribuem para deixar pouco transparentes as negociações das delações premiadas

ABr
ABr
Publicado em 30/08/2016 às 18:10
Foto: Pedro França/Agência Senado
Mendes chegou a citar misteriosas forças "internas", "externas" e até mesmo "ocultas" que contribuem para deixar pouco transparentes as negociações das delações premiadas - FOTO: Foto: Pedro França/Agência Senado
Leitura:

O ministro Gilmar Mendes, do Supremo Tribunal Federal (STF), disse nesta terça-feira (30) que a Corte terá, inevitavelmente, que discutir sobre inconsistências nas regras de delação premiada. Apesar da lei prever que um juiz homologue os depoimentos, o ministro destacou que nem sempre as circunstâncias de negociação das delações ficam claras.

"Acho que, em algum momento, vamos ter que ter algum tipo de questão de ordem para balizar tudo isso. Porque é um mundo de intrigas, de desinteligências. Acho que o próprio tribunal, que homologa, fica às vezes numa má luz", disse Mendes. "Certamente isso vai ser objeto de discussão aqui."

Críticas

O ministro destacou que o próprio relator da Operação Lava Jato no STF, ministro Teori Zavascki, tem levantado pontos a serem discutidos sobre a delação premiada em meio aos processos. Mendes chegou a citar misteriosas forças "internas", "externas" e até mesmo "ocultas" que contribuem para deixar pouco transparentes as negociações das delações premiadas.

"É muito difícil, porque, claro, essas tratativas são sempre sigilosas. O que a gente percebe é que há um fogo cruzado muito intenso. Ao invés de forças internas, estava me lembrando das forças ocultas do Jânio [Quadros], tem também as forças externas. Quer dizer, sabe-se lá como isso funciona", disse o ministro.

 

Últimas notícias