ARTICULAÇÃO

Renan Calheiros quebra própria regra e pode votar aumento do STF nesta quarta-feira

Calheiros havia estabelecido não realizar votações que chegassem à Casa durante o impeachment

JC Online
JC Online
Publicado em 31/08/2016 às 15:57
Foto: Agência Brasil
Calheiros havia estabelecido não realizar votações que chegassem à Casa durante o impeachment - FOTO: Foto: Agência Brasil
Leitura:

O presidente do Senado, Renan Calheiros (PMDB-AL), convocou sessão para votar o reajuste nos salários dos ministros do Supremo Tribunal Federal (STF) ainda nesta quarta-feira (31), minutos após o fim do julgamento de Dilma Rousseff. A atitude simboliza um aceno a Ricardo Lewandowski, presidente do Supremo. A sessão está marcada para as 17h.

O aumento está previsto no projeto que eleva o teto dos vencimentos do Judiciário de R$ 33,7 mil para R$ 39,2 mil. Na madrugada desta quarta-feira, Renan pediu apoio da bancada do PT para quebrar a regra que ele mesmo tinha criado. Antes, estava acordado que medidas provisórias que chegassem à Casa há menos de sete dias não fossem votadas. Mas Renan pretende mudar isso, numa sinalização direta a Michel Temer.

Com a aprovação de alguma MPs, como a que cria a PPI para concessões e medidas de privatização, por parte de Temer, Renan articularia para que a inabilitação de Dilma fosse aceita, além do afastamento definitivo da presidência.

Os senadores do PT afirmaram que não vão aceitar um acordo para ajudar o governo Temer e vão "expor" a "quebra do acordo", segundo o jornal Folha de São Paulo.

Legendas

O tema tem sido alvo de discordâncias entre o PMDB e o PSDB, mas mesmo sem a presença de parlamentares petistas, Renan tem quórum suficiente para iniciar a votação.

O jornalismo profissional precisa do seu suporte. Assine o JC e tenha acesso a conteúdos exclusivos, prestação de serviço, fiscalização efetiva do poder público e muito mais.

Apoie o JC

Últimas notícias