OPOSIÇÃO

Lula pede para PT evitar 'bate-boca' e focar em assuntos econômicos

Ex-presidente orientou partido a concentrar energias em assuntos que realmente interessam à população

Fillipe Vilar
Fillipe Vilar
Publicado em 04/01/2019 às 15:56
Foto: EBC
Ex-presidente orientou partido a concentrar energias em assuntos que realmente interessam à população - FOTO: Foto: EBC
Leitura:

Em conversa com a presidente do PT, Gleisi Hoffmann, e com a presidente cassada Dilma Rousseff na quinta-feira, 3, em Curitiba, onde cumpre pena, o ex-presidente Luiz Inácio Lula da Silva disse que o governo Jair Bolsonaro está usando temas morais ou de comportamento como cortina de fumaça para ações impopulares nas áreas econômica e de direitos sociais.

Segundo Gleisi, Lula orientou o PT a não se perder em "bate-bocas" com integrantes do governo Jair Bolsonaro e concentrar energia nos assuntos que realmente interessam à população.

"Lula nos disse para nos posicionarmos na defesa dos direitos do povo e na retirada de conquistas que tivemos até agora. Bolsonaro vai tentar o tempo inteiro jogar com temas de valores, sobre os quais vamos nos posicionar também, para encobrir a verdadeira pauta do governo", disse a presidente do PT. "Não temos que ficar o tempo inteiro batendo boca com o Bolsonaro", completou.

Alíquota do IR

Ela citou como exemplo a proposta feita pelo presidente Jair Bolsonaro de reduzir o teto da alíquota do Imposto de Renda de 27,5% para 25% e aumento do Imposto sobre Operações Financeiras (IOF).

"Ele reduz o imposto para os mais ricos, não fala nada sobre quem ganha até cinco salários mínimos, diz que lamenta ter que aumentar o IOF e ainda põe a culpa no Nordeste", disse Gleisi.

A petista não citou temas específicos, mas enquanto Bolsonaro anunciava as medidas econômicas o tema que dominava as redes sociais era a declaração da ministra da Mulher, Família e Direitos Humanos, Damares Alves, sobre meninas usarem rosa e meninos, azul.

O jornalismo profissional precisa do seu suporte. Assine o JC e tenha acesso a conteúdos exclusivos, prestação de serviço, fiscalização efetiva do poder público e muito mais.

Apoie o JC

Últimas notícias