LARANJAS

'Por enquanto não há nada contra o ministro do Turismo', diz Bolsonaro

O presidente retificou que os 22 ministros continuam no cargo, mas ponderou que se algum assessor confirmar o seu envolvimento serão tomadas providências

Estadão Conteúdo
Estadão Conteúdo
Publicado em 02/07/2019 às 12:44
Notícia
Foto: Valter Campanato/Agência Brasil
O presidente retificou que os 22 ministros continuam no cargo, mas ponderou que se algum assessor confirmar o seu envolvimento serão tomadas providências - FOTO: Foto: Valter Campanato/Agência Brasil
Leitura:

O presidente Jair Bolsonaro voltou a dizer nesta terça-feira, 2, que, "por enquanto" os 22 ministros continuam no cargo. Ele afirmou que "ainda" não há nada contra o ministro do Turismo, Marcelo Álvaro Antônio, mas ponderou que se algum assessor do ministro falar e confirmar o seu envolvimento serão tomadas providências.

"Por enquanto temos 22 ministros sem problema. Tem que ter acusação grave, com substância. Por enquanto não tem nada contra ele (Álvaro Antonio) ainda, tem contra o assessor. Se o assessor falar e for confirmado que ele tem participação... daí a gente toma uma providência", disse o presidente. Bolsonaro falou com jornalistas ao chegar para um almoço no Ministério da Defesa.

Assessor em liberdade

Nesta segunda-feira, dia 1º, a Justiça Eleitoral em Minas Gerais colocou em liberdade o assessor especial do ministro do Turismo e dois coordenadores da campanha de 2018, quando ele concorreu a vaga na Câmara dos Deputados. Mateus von Rondon, o assessor especial, e Roberto Soares e Haissander Souza, que haviam sido presos, também foram indiciados pela Polícia Federal por falsidade ideológica, uso indevido de verba e associação criminosa, com pena máxima de nove anos e três meses de prisão, no total.

As prisões ocorreram na segunda fase da Operação Sufrágio Ostentação, que apura um suposto esquema de candidatas "laranjas" nas eleições de 2018, com o objetivo de acessar fundos eleitorais destinados exclusivamente a campanha de mulheres. À época, Álvaro Antônio presidia o PSL no Estado.

O jornalismo profissional precisa do seu suporte. Assine o JC e tenha acesso a conteúdos exclusivos, prestação de serviço, fiscalização efetiva do poder público e muito mais.

Apoie o JC

Últimas notícias