operação cravada

Janaína defende fim de sigilo de grampos do PCC que ameaçam Moro

Deputada fez postagens no Twitter mencionando grampo telefônico da PF que pegou líderes do PCC

Estadão Conteúdo
Estadão Conteúdo
Publicado em 12/08/2019 às 16:45
Notícia
Foto: Marcelo Camargo/Agência Brasil
Deputada fez postagens no Twitter mencionando grampo telefônico da PF que pegou líderes do PCC - FOTO: Foto: Marcelo Camargo/Agência Brasil
Leitura:

A deputada Janaína Paschoal (PSL), da Assembleia Legislativa de São Paulo, defendeu o fim do sigilo da investigação da Operação Cravada, da Polícia Federal, que, semana passada, prendeu a cúpula do PCC e sufocou o coração financeiro da facção após bloqueio de 400 contas bancárias por onde circulava dinheiro ilícito do tráfico.

Em sua conta no Twitter, Janaína fez menção a um grampo telefônico da PF que pegou líderes do PCC. Um deles ataca o ministro da Justiça Sergio Moro, que comanda a ofensiva sem precedentes contra a organização, e diz: "O PT tinha diálogo com nóis cabuloso".

Em seu tuíte, Janaína faz um paralelo com a divulgação da sequência de diálogos atribuídos a Moro e ao procurador Deltan Dallagnol, coordenador da força-tarefa da Operação Lava Jato no Paraná. Eles tiveram seus celulares hackeados por Walter Delgatti Neto, o "Vermelho", que confessou a invasão e o repasse ao site The Intercept Brasil do conteúdo do Telegram do ex-juiz federal e do procurador.

"Com meses de divulgação dos diálogos do Intercept, não encontramos nenhum crime", avalia Janaína. "Vamos ver a íntegra das interceptações referentes ao diálogo cabuloso. Quanto mais transparência melhor! Não é assim?"

Para Janaína, "lógico seria retirar o sigilo da investigação em que o diálogo foi interceptado".

"Pela gravidade da situação, o povo tem direito a saber o que tem lá. O PT deveria ser o primeiro a solicitar a retirada do sigilo."

A deputada estadual mais votada da história do País provocou. "Ué, o PT vai processar Deus e todo mundo, por divulgar e comentar o áudio do diálogo cabuloso com o crime? Ao mesmo tempo, defende que o conteúdo das mensagens hackeadas seja de livre acesso? Qual a lógica disso?"

'Armação'

Procurado pela reportagem na semana passada, o PT afirmou, por meio de sua assessoria de imprensa, se tratar de "mais uma armação como tantas outras forjadas" contra o partido. Segundo a legenda, o caso "vem no momento em que a Polícia Federal está subordinada a um ministro acuado pela revelação de suas condutas criminosas". "Quem dialogou e fez transações milionárias com criminosos confessos não foi o PT, foi o ex-juiz Sérgio Moro, para montar uma farsa judicial contra o ex-presidente Lula com delações mentirosas e sem provas", disse o partido em nota. Para a sigla, "é Moro que deve se explicar à Justiça e ao País pelas graves acusações que pesam contra ele".

Tweets

O jornalismo profissional precisa do seu suporte. Assine o JC e tenha acesso a conteúdos exclusivos, prestação de serviço, fiscalização efetiva do poder público e muito mais.

Apoie o JC

Últimas notícias