ATIVISTA

Após ser criticada por Bolsonaro, Greta troca bio do Twitter por 'pirralha'

Segundo a ativista, os povos indígenas do Brasil estão sendo assassinados por proteger as florestas; Bolsonaro refutou a fala e a chamou de 'pirralha'

Katarina Moraes
Katarina Moraes
Publicado em 10/12/2019 às 12:50
Notícia
Foto: Reprodução/Twitter
Segundo a ativista, os povos indígenas do Brasil estão sendo assassinados por proteger as florestas; Bolsonaro refutou a fala e a chamou de 'pirralha' - Foto: Reprodução/Twitter
Leitura:

A ativista sueca Greta Thunberg, de 16 anos, atualizou a sua biografia do Twitter para "Pirralha", após ter sido criticada pelo presidente Jair Bolsonaro (sem partido) na manhã desta terça-feira (10). Alvo de grande interesse midiático, a jovem virou símbolo da luta ambiental desde 2018 por sua "greve escolar" que catalisou um movimento mundial.

Declaração

Quando questionado sobre o assassinato de dois indígenas no Maranhão, o presidente respondeu que a ativista é uma "pirralha". "Qual o nome daquela menina lá, lá de fora? Tabata, como é? Greta. Já falou que índios estão morrendo porque estão defendendo a Amazônia. Impressionante a imprensa dar espaço para uma pirralha dessa aí, uma pirralha", disse Bolsonaro em frente ao Palácio da Alvorada, onde costuma parar para tirar selfies com apoiadores e responder perguntas da imprensa.

Um dos principais nomes na articulação contra os efeitos das mudanças climáticas, a ativista sueca afirmou no domingo, dia 8, que os povos indígenas do Brasil estão sendo assassinados por proteger as florestas. "Os povos indígenas estão sendo literalmente assassinados por tentar proteger as florestas do desmatamento. Repetidamente. É vergonhoso que o mundo permaneça calado sobre isso", escreveu Greta, que compartilhou nas redes sociais uma notícia da Al Jazeera sobre as mortes no Brasil.

Bolsonaro afirmou que "qualquer morte" preocupa o governo. E que é contra crimes ambientais. "Preocupa. Qualquer morte preocupa. Temos de cumprir a lei. Somos contra desmatamento ilegal, somos contra queimada ilegal. Tudo o que for contra a lei, somos contra", afirmou Bolsonaro.

Força Nacional

O ministro da Justiça e Segurança Pública, Sérgio Moro, autorizou na segunda-feira, 9, o uso da Força Nacional de Segurança Pública para atuar na Terra Indígena Cana Brava Guajajara, no Maranhão, onde dois índios foram assassinados no último fim de semana após ataques a tiros - outros dois ficaram feridos. O Diário Oficial da União (DOU) desta terça-feira traz a Portaria do Ministério da Justiça que autoriza o emprego da Força Nacional de Segurança Pública em apoio à Funai na Terra Indígena.

Newsletters

Ver todas

Fique por dentro de tudo que acontece. Assine grátis as nossas Newsletters.

Últimas notícias