PROMESSA ATRASADA

Com navegabilidade emperrada, estações sofrem com abandono

O projeto da navegabilidade no Recife está parado há 3 anos e onde havia alguma obra, hoje há só abandono

Marcela Balbino
Marcela Balbino
Publicado em 16/04/2017 às 7:17
Foto: Alexandre Gondim/JC Imagem
FOTO: Foto: Alexandre Gondim/JC Imagem
Leitura:

A esperança de ver o Capibaribe navegável sofre pouco a pouco a ação do tempo. O projeto Rios da Gente, o que mais avançou até agora, está à míngua. Em muitas estações, nem as placas indicando informações oficiais sobre as obras restaram. Os tapumes foram roubados e o esqueleto do que seriam os pontos de embarque e desembarque estão expostos, isso quando há algo iniciado.

Na Estação de Santana, ao lado do parque de mesmo nome, a placa do projeto resiste ao tempo e aos atrasos. O píer que levaria os passageiros ao barco também está de pé, mas o mato alto cobriu a área, que virou ponto de consumo de drogas.

A estação é uma das mais emblemáticas, porque foi nela que, em janeiro de 2013, o então governador Eduardo Campos, ao lado do prefeito do Recife, Geraldo Julio, e outras autoridades anunciaram com entusiasmo o pontapé inicial nas obras de dragagem, primordial para viabilizar a navegabilidade do curso d’água. No fim daquele ano, Eduardo anunciaria sua candidatura à presidência da República e a vitrine do projeto era importante para o projeto nacional.

Na Estação do Derby, ao lado do Cinema da Fundação, também não há qualquer vestígio de obra. Os tapumes desapareceram e o trecho tornou-se ponto de pesca.

Na Torre, embaixo do Viaduto José Bonifácio, nem os tapumes restaram. O curso d’água está exposto e não houve qualquer ação no local. Um guarda chegou a vigiar o local, mas hoje já não há mais ninguém.

Às margens da BR-101, em Dois Irmãos, onde haveria outra estação, o pasto tomou conta. Bois e vacas comem livremente o capim alto. Ao fundo, três batelões (os barcos usados na dragagem para tirar os sedimentos do rio) definham com a ação do tempo.

Pichados e esquecidos. Na época da obra, o material contaminado - metais pesados, esgoto - era levado para lá, como área intermediária para depois seguir para um aterro sanitário. O destino dado ao que foi retirado é um dos pontos questionados pelos técnicos do TCE, por causa da contaminação.

Em nota, a Secretaria das Cidades informou que o material contaminado foi transportado para o Centro de Tratamento de Resíduos – CTR em Igarassu, após o período de secagem.

Encerrada em 2014, a dragagem foi 97,5% executada, restando pequeno trecho onde existem palafitas, de acordo com o governo do Estado.

Foto: Alexandre Gondim/JC Imagem
Na Estação do Derby, tapumes foram levados e ponto onde era estação virou lugar de pesca - Foto: Alexandre Gondim/JC Imagem
Foto: Alexandre Gondim/JC Imagem
Na Estação Santana, píer está pronto, mas falta estação de embarque e desembarque - Foto: Alexandre Gondim/JC Imagem
Foto: Alexandre Gondim/JC Imagem
Na Estação Santana, píer está pronto, mas falta estação de embarque e desembarque - Foto: Alexandre Gondim/JC Imagem
Foto: Alexandre Gondim/JC Imagem
Na Estação Santana, píer está pronto, mas falta estação de embarque e desembarque - Foto: Alexandre Gondim/JC Imagem
Foto: Alexandre Gondim/JC Imagem
Na Estação Santana, píer está pronto, mas falta estação de embarque e desembarque - Foto: Alexandre Gondim/JC Imagem
Foto: Alexandre Gondim/JC Imagem
Estação de Dois Irmãos, na BR-101, estação não saiu e barcos da dragagem estão abandonados - Foto: Alexandre Gondim/JC Imagem
Foto: Alexandre Gondim/JC Imagem
Estação de Dois Irmãos, na BR-101, estação não saiu e barcos da dragagem estão abandonados - Foto: Alexandre Gondim/JC Imagem

Uma draga de sucção foi usada para extrair o material contaminado e o não contaminado seria tirado com escavadeira e levado para o bota-fora oceânico lugar apropriado para o depósito dos sedimentos dragados a uma distância de seis milhas náutica da costa litorânea (11 km da costa).

O projeto previa que 17 quilômetros do rio seriam dragados, das proximidades da BR-101, passando pelos bairros do Parque Santana (Casa Forte/Poço da Panela), Torre, Derby, área central do Recife e Tacaruna (divisa entre Recife e Olinda).

Quem passa pelas estações e vê o que o local poderia se tornar, tem a sensação que a navegabilidade, mais uma vez, ficou pelo caminho.

 VEJA PONTOS QUESTIONADOS NA AUDITORIA DO TCU

 JC-POL0416_CAPIBARIBE-WEB

O jornalismo profissional precisa do seu suporte. Assine o JC e tenha acesso a conteúdos exclusivos, prestação de serviço, fiscalização efetiva do poder público e muito mais.

Apoie o JC

Últimas notícias