OPINIÃO

O que o mercado de trabalho exigirá dos profissionais e como se preparar para o futuro

Antes de mais nada é necessário entender que as mudanças não acontecem do dia pra noite. É um processo contínuo, que se adapta de acordo com as demandas do mercado e as condições impostas, como a pandemia tem nos mostrado

Felippe Pessoa
Felippe Pessoa
Publicado em 13/07/2020 às 6:00
Artigo
PIXABAY
Os especialistas concordam que, mesmo com a mecanização de processos, o fator humano é essencial nas tomadas de decisões e nas atividades relacionais - FOTO: PIXABAY
Leitura:

É inevitável, a pandemia do coronavírus está mudando o mercado de trabalho e as competências exigidas aos profissionais acompanham essa mudança. Os modelos de trabalho mais flexíveis, a forte presença da tecnologia nas atividades operacionais e os perfis profissionais resolutivos e ágeis ganham espaço e tornam-se essenciais nessa transformação.

Mas como se preparar para o que está por vir? Essa é uma pergunta comum aos profissionais que desejam se manter ativos no mercado de trabalho. Antes de mais nada é necessário entender que as mudanças não acontecem do dia pra noite. É um processo contínuo, que se adapta de acordo com as demandas do mercado e as condições impostas, como a pandemia tem nos mostrado.

É fundamental ter em mente que as pessoas e suas competências continuam sendo peça fundamental em qualquer negócio. Os especialistas concordam que, mesmo com a mecanização de processos, o fator humano é essencial nas tomadas de decisões e nas atividades relacionais.

Mas, para conviver em harmonia com a automação dos processos, o profissional do futuro deve ser adaptável, flexível e criativo. Diversas atividades darão espaço às máquinas e, por isso, essas competências serão cada vez mais valorizadas. A busca pelo conhecimento contínuo, manter-se atualizado e sempre aprendendo é fundamental para acompanhar as mudanças do mercado de trabalho.

O empresário Danilo dos Anjos, sócio da RevPar Incorporações, sabe disso e aproveitou o tempo livre na quarentena para aprender algo novo: “As instituições de ensino no Brasil e fora disponibilizaram cursos gratuitos nas mais diversas áreas. Aproveitei a oportunidade para estudar sobre finanças, marketing e tecnologia em universidades internacionais como Singularity, Insead e Wharton, por exemplo.” Para ele, a pausa forçada foi o momento ideal para se dedicar aos estudos: “Com a correria do dia a dia não sobrava tempo para fazer novos cursos. Esses dias em casa foram a oportunidade perfeita para me atualizar.”, completou Danilo.

CORTESIA
O empresário Danilo dos Anjos aproveitou a quarentena para fazer novos cursos - CORTESIA

Além de estar sempre aprendendo e atento as atualizações do mercado, quais serão as competências mais exigidas daqui pra frente? São muitas, mas vamos destacar algumas:

  • Inteligência emocional

Empatia. Essa á a palavra que resume a inteligência emocional; ou seja, agir de forma empática com o outro e ter a capacidade de lidar os próprios sentimentos.

A inteligência emocional é influenciada por uma combinação de traços de personalidade e não é simples de controlar e desenvolver. Mas quando você consegue lidar com suas emoções, é possível diminuir o estresse do dia a dia, melhorar o autogerenciamento e o gerenciamento de outras pessoas e ter mais facilidade de se refazer após uma situação difícil e estressante.

Assim, você – e todos ao seu redor – se beneficiam.

  • Habilidade de resolver problemas

“Pensar fora da caixa”. Essa conhecida expressão resume bem o perfil do profissional que tem a habilidade de resolver problemas. Identificar problemas com rapidez e traçar um plano de resolução de maneira criativa e fora dos padrões já é uma das principais competências exigidas pelo mercado de trabalho.

Profissionais que agem de maneira repetitiva, dando as mesmas soluções para velhos e novos problemas terão dificuldades de se adaptar a um mercado que exigirá articulação e velocidade.

  • Adaptabilidade

Sabe aquela história do “jogo de cintura”? É exatamente isso. Ser adaptável é conseguir viver em condições de ambiente diferentes da sua naturalidade.

O profissional adaptável consegue se adequar as mudanças, seja no time com quem trabalha, nas atualizações dos processos internos da sua empresa ou nas oscilações da economia mundial. Essa capacidade de inovar, de encarar o novo com naturalidade, aprender e estar sempre atualizado com as mudanças de sua área e do mercado são características necessárias em um mundo de tantas transformações.

  • Pensamento crítico

O pensamento crítico é a capacidade de refletir sobre determinado assunto e contribuir para sua eficiência. Por isso, questione sempre. Não haverá espaço para profissionais que baixam a cabeça e simplesmente operacionalizam suas atividades.

As atividades extremamente operacionais ficarão para as máquinas. Elas serão capazes de executá-las melhor que nós.

  • Negociação

Muitos pensam que negociar é apenas para os profissionais da área comercial. Errado! A negociação está no nosso dia a dia, desde a relação com nossos filhos até o cumprimento dos prazos acordados com nosso chefe. E isso, as máquinas não fazem.

Negociamos para resolver diferenças, chegar a acordos e encontrar soluções, tanto em casa quanto no trabalho.

Fique atento, busque novos caminhos, não deixe a tecnologia lhe dominar e adapte-se as exigências do mercado. As mudanças são constantes, evolutiva e inevitáveis. A dica é: não fique parado!

 

CORTESIA
O empresário Danilo dos Anjos aproveitou a quarentena para fazer novos cursos - FOTO:CORTESIA

O jornalismo profissional precisa do seu suporte.

Assine o JC e tenha acesso a conteúdos exclusivos, prestação de serviço, fiscalização efetiva do poder público e muito mais.

Apoie o JC

Comentários

Últimas notícias