Executivo parlamentar

O Legislativo tem sido obrigado a atuar tanto como Executivo que era melhor mudar logo o regime

O presidencialismo brasileiro entrou em crise assim que nasceu. Mas os momentos em que o Executivo desaparece da linha de frente em crises ficou tão frequente que seria mais barato mudar o regime para um parlamentarismo logo

Igor Maciel
Igor Maciel
Publicado em 23/02/2021 às 9:09
Análise

Fabio Rodrigues PozzebomAgência Brasil
O presidente Bolsonaro, o presidente Pacheco e o presidente Lira - FOTO: Fabio Rodrigues PozzebomAgência Brasil
Leitura:

Quando o chefe do Executivo enfraquece, ninguém fica mais forte que os chefes do Legislativo.

O período crítico da pandemia em 2020 mostrou isso. E Rodrigo Maia (DEM) tornou-se uma espécie de primeiro-ministro, por alguns meses.

Antes, o período crítico antes do impeachment de Dilma Rousseff (PT) reforçou o poder de Eduardo Cunha.

A questão é que isso tem ficado cada vez mais frequente. Desde que Bolsonaro assumiu, não chegamos a ficar seis meses inteiros sem a sensação de que o parlamento estava governando mais que o governo.

A própria empáfia de Rodrigo Maia (DEM), que já se via como um primeiro-ministro, mostra isso.

A coluna já citou a crença de alguns deputados, da esquerda, de que Arthur Lira (PP) como presidente da Câmara nunca seria controlado por Bolsonaro, mas o contrário. Talvez as próximas semanas tragam exemplos disso.

Bolsonaro enfraqueceu novamente. Acontece de tempos em tempos por culpa dele próprio e das atitudes que ele toma sem medir as consequências que vão além de sua bolha eleitoral. A popularidade do presidente, segundo a mais recente pesquisa CNT/MDA, despencou novamente e está nos níveis do primeiro semestre de 2020, quando o Brasil vivia o pior momento da pandemia.

O ministro da Saúde, Eduardo Pazuello, começa a se desesperar por não conseguir comprar vacinas suficientes. É público que ele foi pedir ajuda ao Planalto para comprar mais doses. Também é público que, logo em seguida, Arthur Lira e Rodrigo Pacheco (DEM), presidentes da Câmara e do Senado, começaram a atuar pra tentar resolver o problema do ministro.

Bolsonaro estava ocupado, intervindo na Petrobras e gerando outra crise pro país.

Momento crítico, vácuo de ação presidencial, e lá estão os chefes do Legislativo para salvar o dia.

Devíamos mudar logo para o parlamentarismo.

O presidencialismo brasileiro, quase sempre, parece um fingimento eivado de desperdício.

Comentários

Últimas notícias