Cenário econômico em Pernambuco, no Brasil e no Mundo, por Fernando Castilho

JC Negócios

Por Fernando Castilho
[email protected]

Informação e análise econômica, negócios e mercados

Coluna JC Negócios

Em nova polêmica com o Congresso, Paulo Guedes ameaça não pagar salários de servidor federal em 2022

Ministro também diz que pode faltar dinheiro para mais vacinas em 2022

Fernando Castilho
Cadastrado por
Fernando Castilho
Publicado em 19/08/2021 às 16:15 | Atualizado em 20/08/2021 às 11:08
EVARISTO SA / AFP
Paulo Guedes cada vez mais próximo do pensamento politico de Jair Bolsonaro na economia. - FOTO: EVARISTO SA / AFP
Leitura:

O PT ainda comemorava a reeleição da presidente Dilma Rousseff quando no começou de abril de 2015 o então ministro-chefe da Casa Civil, Aloizio Mercadante, fez um desabafo que passou para a história.

“Fomos longe demais nas desonerações fiscais, o grande tema hoje para a retomada do crescimento é o ajuste fiscal.”

Dilma tinha aberto mão de uma série de impostos meses antes das eleições de 2014, concedendo desonerações para setores que não pediram e nem precisavam.

Ela já tinha editado uma lei que desorganizou o sistema elétrico brasileiro, que até hoje se recente disso. Ela praticamente paralisou a construção de novas usinas hidroelétricas, turbinando os incentivos as usinas eólicas. Numa de suas celebres entrevistas ela disse que havia chegado a hora de o Brasil passar a “estocar ventos”.

O resultado dessas decisões voltou a ser lembrado esta semana por vários economistas impactados com a pressão do governo Bolsonaro em aprovar um pacote de leis que visam dar folga no Orçamento Geral da União, inclusive propondo a aprovação de uma Proposta de Emenda Constitucional (PEC) permitindo que o governo deixe de pagar precatórios, parcelando a dívida em 10 anos.

Nesta quinta-feira, (19), o ministro da Economia, Paulo Guedes, aumentou a pressão afirmando que, sem a PEC dos Precatórios, pode não ter dinheiro para pagar salários de servidores federais. E a justificativa é ter dinheiro para pagar o Auxilio Brasil, prometido por Jair Bolsonaro.

Conversa. A União tem como pagar as 13 parcelas da rubrica de salários em 2022 e já provisionou a despesa. Mas para pagar o Auxilio Brasil, Guedes terá que arrancar do Congresso sua PEC, tentando corrigir um problema que sua equipe não administrou no começo do ano quando são definiu os valores a serem pagos como precatórios no ano seguinte.

Numa outra frente, o ministro está pedindo à Advocacia-Geral da União (AGU) que peça ao Supremo Tribunal Federal (STF) que suspenda a ordem dada à União para pagar dívidas judiciais com Estados relativas a repasses do Fundef, Fundo para o Desenvolvimento do Ensino Fundamental e valorização do magistério, que vigorou até 2006.

O Governo tenta assim conseguir do presidente do STF, Luiz Fux, que abra uma conciliação sobre o tema, cuja equipe de Paulo Guedes esnobou até junho.

Foi essa atitude que fez o STF mandar pagar três ações, movidas por Pernambuco, Ceará e Amazonas. Ao todo, o pedido alcançará R$ 15,6 bilhões em precatórios previstos no Orçamento do ano que vem.

Mas a coisa é mais séria. Existe uma outra ação movida pelo Estado da Bahia, que tem R$ 8,767 bilhões a receber do governo federal em 2022.

O problema é que Paulo Guedes está se comportando na Economia como o presidente Jair Bolsonaro se comporta na política. Ele próprio foi ao ministro Gilmar Mendes pedir arreglo. Mendes foi curto e grosso: agora é tarde ministro.

Guedes saiu do gabinete e anunciou o projeto da PEC sem articular com ninguém. Com a repercussão negativa ele passou a dizer que se pagasse os precatórios incorreria em crime de responsabilidade fiscal.

Nesta quarta-feira ele saiu com nova chantagem agora sobre salários e até vacinas.

O problema é que a performance do ministro tem custo financeiro. Os juros do Brasil de 10 anos explodiram para próximos de 10%.

Enquanto Paulo Guedes toca o tambor, o presidente do Banco Central, Roberto Campos Neto, avisa que as incertezas internacionais estão maiores em relação ao Brasil, acrescentado que existe um aumento do ruído da parte institucional de como o Brasil funciona, a briga entre os Poderes.

A diferença é que ele não falava, como Paulo Guedes, para deputados da base aliada. Estava falando para o Council of the Americas, preocupado em saber dos projetos enviados pelo governo ao Congresso, como o novo Bolsa Família, que o mercado tem associado com as eleições do próximo ano.

Roberto Campos Neto tem hoje no Governo, e fora dele, aos menos 10 vezes mais prestígio que Paulo Guedes. Quando ele fala todo mundo ouve.

E não foi por acaso que também hoje um outro Ex-presidente do Banco Central, Affonso Celso Pastore disse numa entrevista ao jornal O Estado de S. Paulo que diz que está "comprada" uma desaceleração do crescimento do PIB de 2002 defendo a ação do BC para barrar o descontrole da inflação.

Pastore que é conhecido por suas tiradas sobre temas econômicos criou mais uma: Acabou a euforia da Faria Lima e o empresariado acordou.”

Ele se referia a uma imagem que os jornalistas criaram sobre o principal centro financeiro da capital paulista.

Banqueiros são homens muito sérios e cuidadosos em suas entrevistas. E não costumam se queixar em publico se não em situações críticas.

Há duas semanas vários deles passaram a reclamar do comportamento do presidente Jair Bolsonaro a ponto de publicar uma carta afirmando que vai haver eleições em 2022.

Foi na semana em que Paulo Guedes abriu mais uma de suas guerras com o capital. Ao defender a taxação de dividendos aos mais ricos e considerando “inadmissível” que bilionários paguem zero nessa rubrica enquanto assalariados sentem o maior peso dos impostos o ministro bradou.

"Nós estamos botando o pé na porta e abrindo a porta, (estamos) falando ‘olha, vamos cobrar já 20%’. Ali no futuro gradualmente nós vamos unificar isso tudo e ele vai entrar no progressivo.”

Mais uma bravata. Na ultima terça-feira o presidente da Câmara Artur Lira concordou em adiar a votação da reforma proposta por Paulo Guedes sobre o Imposto de Renda, por ver que ela seria rejeitada.

Mas Paulo Guedes vai continuar tocando o tambor. O problema é se, no futuro  ele vir a repetir a frase de Aloisio Mercadante no governo Dilma.


Comentários

Últimas notícias