Cenário econômico em Pernambuco, no Brasil e no Mundo, por Fernando Castilho

JC Negócios

Por Fernando Castilho
castilho@jc.com.br

Informação e análise econômica, negócios e mercados

Coluna JC Negócios

Dinheiro do BNDES para pequenas empresas prometido por Lula é bom. Risco é refazer "campões nacionais"

No Brasil, a concentração bancária atrofiou a capacidade dos bancos privados em atender a quem é pequeno e não pode dar garantias

Fernando Castilho
Cadastrado por
Fernando Castilho
Publicado em 29/04/2022 às 10:55 | Atualizado em 29/04/2022 às 13:56
RICARDO STUCKERT
Propostas de Lula para o meio ambiente deverão ser colocadas em debate - FOTO: RICARDO STUCKERT
Leitura:

Em entrevista à Radio Jornal, no programa Passando a Limpo, o candidato do PT a presidente, Luiz Inácio Lula da Silva, prometeu que vai "transformar o BNDES num grande banco de investimentos para pequenas e médias empresas brasileiras. Vamos incentivar o empreendedorismo neste país. Quem quiser fazer algo por conta própria, poderá ir ao banco público arrumar dinheiro para começar seu negócio".

O ex-presidente avalia que o Brasil "não pode ser capitalista sem capital, sem crédito. O papel do Estado é garantir que as pessoas que desejam progredir possam, porque o Estado vai ajudar", garantiu.


O presidente acerta no atacado, mas erra no varejo. O problema de seus dois governos foi não ajudar exatamente os pequenos e microempresários a tomar dinheiro no BNDES.

Aliás, foi exatamente a incapacidade do BNDES em saber como processar a decisão do Congresso em emprestar dinheiro a esses empresários que travou, por mais de oito meses, a linha de crédito que deu origem ao Pronampe. O programa ajudou a milhares de empresas a sobreviverem.

O problema é que, no Governo Bolsonaro, quando a linha voltou, em 2021, os juros subiram muito, de modo que quem conseguiu tomar empréstimo não está conseguindo pagar as prestações, porque a economia não conseguiu se recuperar.

Se Lula adotar a mesma estratégia dos seus dois governos, o País correrá o risco da reedição da equivocada política de “Campões Nacionais”, que fez a União transferir R$ 500 bilhões para o BNDES, tomando dinheiro no mercado a 12% ao ano e emprestando a 5% ao ano, o que é um problema.

Nos seus governos, de fato, os pequenos e micro empresários sequer chegavam na porta do BNDES, e isso ficou claro quando o Governo Bolsonaro autorizou o banco a emprestar e o banco simplesmente não sabia como fazer.

Na verdade, o BNDES não tinha um fundo de aval como garantiu o Pronampe, onde o Banco garantiu às instituições bancárias 85% do risco, e os bancos assumiram os 15% restantes.

Se o ex-presidente decidir que o BNDES vai ter dinheiro da União para emprestar apenas ao micro e pequeno empresário, certamente não vai precisar de R$ 500 bilhões.

O problema no Brasil é que a concentração bancária atrofiou a capacidade dos bancos privados em atender a quem é pequeno e não pode dar garantias.

Isso ficou claro na pandemia, quando milhares de empresas ficaram pelo caminho. Se não fosse a ajuda dos programas de adiamento de tributos federais, elas não teriam sobrevivido.

Mas a ideia de ajudar micro e pequenos empresários é boa se for feita para eles. O risco é a pressão das grandes empresas, muitas envolvidas na Operação Lava Jato.

Elas estão pagando os empréstimos e o BNDES está devolvendo parte do dinheiro ao Governo. Mas todos concordam que não faz sentido falar em Campões Nacionais.

O mundo mudou, o mercado brasileiro é muito mais moderno e, ao contrário do que Lula diz, o Brasil pode ser capitalista. Mas com capital do investidor e sem crédito subsidiado do Governo.

O número de empresas que iam ao BNDES e agora vão ao mercado explodiu e elas vão bem, obrigado.
O desafio, entretanto, é como fazer chegar o dinheiro a quem pega sua indenização, abre um novo negócio e não consegue passar da sala de autoatendimento dos bancos privados.

Se o BNDES ampliar seus fundos, o aval Lula terá acertado na mosca. Se retornar aos campões nacionais, terá acertado no pé.

Comentários

Últimas notícias