COLUNA MEU PET

Pet influencers: Brasil é o 2º país que mais busca perfis de animais

No último ano, vídeos de animais engraçados e fofos acumularam mais de 150 milhões de visualizações

Amanda Rainheri
Amanda Rainheri
Publicado em 03/12/2020 às 15:06
Notícia

Reprodução/ Instagram
Kiliquinha tem mais de 319 mil seguidores no Instagram atualmente - FOTO: Reprodução/ Instagram
Leitura:

Por toda a internet, a popularidade de conteúdo envolvendo animais, principalmente bichinhos de estimação, além de diversão, criou um novo mercado de influenciadores digitais: os pets. O Instagram está repleto deles e o Brasil já ocupa o 2º lugar no mundo na procura por perfis de bichos na plataforma. A Decode, empresa de pesquisa em big data e inteligência de mercado, apurou os números movimentados por mascotes e a multidão apaixonada por eles.

>> Série que conta histórias de cães abandonados vai ao ar nesta segunda (1º)

>> Hospital Veterinário do Recife lança carteirinha de atendimento e serviço de ‘Fale Conosco’

De acordo com o levantamento, no último ano, vídeos sobre animais engraçados e fofos acumularam mais de 150 milhões de visualizações no YouTube - YouTube out/2019 - out/2020. Para este levantamento, foram analisados mais de 1200 vídeos.

Seguindo essa tendência, alguns donos de animais no Instagram começaram a viralizar com fotos de seus bichinhos, que se tornaram verdadeiros fenômenos de engajamento. Alguns desses perfis já acumulam centenas de milhares de seguidores, participam de ações de marketing de marcas dos mais diversos segmentos e estão conquistando outras mídias, como desenhos animados.

O crescimento do interesse pelos pets cria uma excelente oportunidade para o marketing digital, avalia Carol Garrido, Content Manager na Decode. "As pessoas se conectam com conteúdo sobre animais num contexto de entretenimento que é, ao mesmo tempo emocional e positivo. Isso cria um ambiente muito propício para exposição de marcas e o crescimento dessa tendência no Brasil é um terreno muito fértil", sinaliza.

 

Decode/ Reprodução
Pesquisa foi feita entre outubro de 2019 e outubro de 2020 - Decode/ Reprodução

Decode/ Reprodução
Pesquisa foi feita entre outubro de 2019 e outubro de 2020 - FOTO:Decode/ Reprodução

Comentários

Últimas notícias