ANIMAIS

Confira seis impactos que a pandemia da covid-19 causou na vida do seu pet

Veterinária expõe que mudança de rotina durante pandemia causou alteração no comportamento de alguns cães e gatos

Katarina Moraes
Katarina Moraes
Publicado em 22/03/2021 às 10:58
Notícia
PIXABAY
57% dos tutores brasileiros deram mais atenção aos pets na quarentena - FOTO: PIXABAY
Leitura:

A pandemia da covid-19 mexeu na vida de todos, principalmente na de quem perdeu entes queridos e na de quem desenvolveu a doença. E, mesmo que ainda não haja estudos conclusivos que comprovem se animais podem ou não ser infectados e transmitir o coronavírus para humanos, os pets também foram afetados pelas mudanças no mundo, principalmente em relação aos seus tutores, já que a população foi orientada a se manter reclusa em casa com o intuito de evitar a transmissão do vírus.

» Saiba tudo sobre pets na coluna Meu Pet do JC

Com os donos mais próximos, o comportamento de alguns cães e gatos pode ter passado por mudanças pela alteração na rotina, segundo a veterinária Juliana Furtado. “A maioria dos cães adoram adoram passar o máximo de tempo com os seus tutores. O gato pode sentir mais esse tipo de mudança por ser um animal com mais rotina. Em um possível retorno dos tutores ao trabalho, ao contrário dos gatos, acredito que os cães irão ficar mais ‘depressivos’ sem tanta companhia e atenção. Isso pode ser identificado como um problema”, explica a profissional.

Os reflexos podem ser avaliados também no comportamento dos tutores. “Mais atenção, melhor cuidado com a saúde, mais afetividade. São incontáveis os benefícios de um pet na vida dos tutores. Conheço inúmeras histórias de animais que tiraram os donos de estado depressivo, ansiedade, síndrome do pânico. Alguém que nos ame incondicionalmente só traz benefício aos que convivem com ele”, diz a veterinária.

Veja seis impactos que a pandemia causou na vida dos pets e seus tutores, segundo análise divulgada pela U+ Seguro.

1. Os cachorros latiram mais

Se você ouviu o cachorro do vizinho ou seu próprio pet fazendo mais barulho que o normal, é reflexo de uma maior agitação dos bichinhos durante o isolamento social. Com uma presença mais constante dos tutores em casa, é normal que ocorram mudanças de hábitos. É preciso estar atento para identificar as demandas dos animais e garantir o bem estar dele e da família. Consultas de rotina podem ajudar no acompanhamento da saúde do pet.

2. 57% dos tutores brasileiros deram mais atenção aos pets na quarentena

Segundo o Hospital Veterinário Sena Madureira de São Paulo, a pandemia forçou uma maior aproximação entre os tutores e seus bichinhos. Isso vale desde o carinho até o cuidado com a limpeza das patinhas pós-passeio. Também foi momento de atualizar os exames, a vacinação e cuidar do bem estar dos animais. Serviços de assistência pet são fundamentais nesses casos.

3. Os bichinhos ganharam peso

É normal ver tutores dando recompensas, como petiscos, aos bichinhos ao enxergarem um bom comportamento. Por passarem mais tempo em casa na quarentena, é comum também que esses feitos aumentem - e, consequentemente, os petiscos. Por isso, não se assuste se seu pet ganhar uns quilinhos.
Dados divulgados pela Wakefield Research, em parceria com o Banfiel Ped Hospital, dos Estados Unidos, mostram que 25% dos entrevistados considera que o animal "ganhou um pouco de peso", enquanto 8% respondeu que eles "ganharam muito peso".

4. Ajuda na saúde mental dos tutores

De acordo com a OMS, em 2019, o Brasil foi o país com mais pessoas ansiosas do mundo, cerca de 18,6 milhões. O convívio com animais de estimação estimula a produção e liberação de endorfina e serotonina, o que proporciona sensação de bem-estar e relaxamento.

Segundo estudo da Clínica Médico Psiquiátrica da Ordem, em Porto, Portugal, adotar um pet é capaz de amenizar dores de pacientes com tipos perniciosos de depressões que já não respondem aos tratamentos médicos convencionais. Durante a pandemia do novo coronavírus, houve aumento de 50% no número de adoções de pets. Nesse primeiro momento, regularizar a carteira de vacinação e os exames do pet são ações fundamentais.

5. Relatos de Covid-19 em pets são baixíssimos

Enquanto os casos da Covid-19 em humanos ultrapassam milhões, apenas 25 relatos sobre a mesma doença foram registrados referentes a gatos e cachorros. De acordo com especialistas, gatos que testaram positivo apresentaram apenas alterações respiratórias, e, depois, voltaram à normalidade. Segundo o Centro de Controle de Doenças dos Estados Unidos, não existem evidências de que os pets tenham algum papel na transmissão da Covid-19 para pessoas.

6. Procura por creche e assistência aumentam

Segundo o Hospital Veterinário Sena Madureira de São Paulo, houve um aumento de 60% na procura por reservas de creches para pets, onde acontecem recreações e serviços de adestramento. Uma das principais motivações dessa busca foi não deixar o animal totalmente sozinho em casa após o período da quarentena, momento em que os bichos ficaram acostumados em ter uma companhia humana.

Comentários

Últimas notícias